Novo tempo!

Eu sumi duas semanas, mas foi por uma boa causa. Estava organizando minha mudança para Brasília.
Se você está se perguntando, mudança? Brasília? É isso mesmo! Cá estou eu, na capital federal, escrevendo a coluna pra vocês.
Eu sempre disse que é preciso pagar o preço do que se deseja, correr atrás dos objetivos, estar disposto ao novo, não é verdade? Então! Eis que surgiu essa oportunidade de trabalhar fora do Acre e eu decidi pagar pra ver.
Sei que não será nada fácil a adaptação. Deixar minha vida temporariamente para trás e encarar sozinha uma nova realidade é assustador. Mas na vida o pior é o si.
Carrego alguns comigo. Deixei pra lá histórias, pelo medo de encarar a possibilidade de consequências diferentes da que eu queria. Nunca saberei o que poderia ter dado. Olha que coisa frustrante?!
Mas voltando a Brasília e meu tempo por aqui, aviso que sigo mantendo meu estilo de vida saudável. Afinal meus 50 chegarão onde quer que eu esteja e o projeto é me preparar para viver bem os próximos cinquenta também.
Pois é, nesta primeira semana,
já me entrosei com um grupo de corrida e descobrir uma verduraria (será que existe esse nome?!).
E pra completar, meu vai ter longão na Esplanada dos Ministérios. Que tal?!
Depois mostro para vocês. Aliás, falando desta nossa relação (colunista leitor), não esqueçam:
Eu fui, mas espero continuar matando a saudade do Acre e de vocês por aqui.
Que tenhamos uma semana de boas novidades e muitas descobertas!


“Mas é preciso ter força
É preciso ter raça
É preciso ter gana sempre!!!!”

Mais perto
O ano está chegando ao fim. Como é que pode, não sei vocês, mas a sensação que tenho é que este ano entrei em um portal de outra dimensão, onde fiquei em suspensão. Ao mesmo tempo que lamento o tempo ter passado num piscar de olhos, me alegro que desta forma as vacinas da Covid estejam mais próximas de chegar de fato.
Semana passada, assisti feliz da vida a chegada de um grande carregamento no aeroporto de São Paulo. Da mesma forma que vi e ouvi reportagem durante toda a semana sobre a evolução das várias pesquisas sobre elas ao redor do mundo.


Enquanto isso…
Enquanto a vacina não chega, o jeito é tomar todos os cuidados para não ser exposto ao vírus. Máscara, álcool gel, distanciamento social é a saída. É como dizia a vovó: repouso e canja de galinha não faz mal a ninguém.

Boa notícia

Estudo divulgado na plataforma medRxiv e realizado por meio de uma pesquisa online feita com 938 brasileiros que contraíram COVID-19 aponta que a prevalência de hospitalização pela doença foi 34,3% menor entre os voluntários considerados “suficientemente ativos”, ou seja, aqueles que antes da pandemia praticavam semanalmente ao menos 150 minutos de atividade física aeróbica de intensidade moderada ou 75 minutos de alta intensidade. O questionário foi respondido entre os meses de junho e agosto por indivíduos de ambos os sexos e diversas idades que tiveram a infecção pelo SARS-CoV-2 confirmada pelo teste molecular (RT-PCR, que detecta o RNA viral na fase aguda) ou sorológico (que detecta anticorpos contra o vírus no sangue.

O que rolou no final de semana

Inauguração do Centro

Rio Branco ganhou um Centro de Promoção da Saúde. A inauguração do espaço pelo presidente da Federação das Indústrias do Acre e pelo presidente do Conselho Nacional da Indústria aconteceu no último sábado. O centro do Serviço Social da Industria (Sesi/Ac) tem como proposta oferecer serviços integrados de reabilitação convencional, como fisioterapia, reeducação postural global (RPG), hidroterapia, pilates, e ainda de fortalecimento muscular. A unidade, onde foram investidos R$ 8,24 milhões, visa a atender os anseios do público em busca de qualidade de vida, contemplando elementos que integram mente e corpo aliados às escolhas e hábitos de vida saudáveis em um nico espaço. Parabéns aos envolvidos.

O Acre tremeu

Com o slogam O Acre vai Tremer aconteceu no último domingo o longão na estrada das Quatro Bocas. Dez, doze, quinze e vinte e um quilômetros foram as distâncias propostas. Dezenas de corredores encararam o desafio e se superaram com louvor, batendo as metas propostas para si.

Sejamos coerentes

Li um post na internet que me chamou muita atenção. Ele dizia: “crie o hábito de se perguntar a cada atitude: isso está coerente com a vida que eu quero criar?”

Parece tão simples e tão lógico que nossas ações estejam em harmonia com o que acreditamos ou com o que desejamos ser não é mesmo?! Mas na realidade do dia a dia não é bem assim. Na maioria das vezes nossas atitudes são reflexos impensados, salvo aquelas cujo impacto é grande o suficiente para não passar despercebidos a nós mesmos.

Diz a neurociência que isso acontece por que o cérebro automatiza processos, cria padrões para evitar o gasto de energia.

E assim, vivemos a vida no automático. Como poetizou Quintana em O tempo.

Desenvolvemos a errônea mania de agir como se não houvesse finitude. Como se cada dia não fosse um dia a menos na nossa existência.

Vivemos sem prestar atenção no que estamos criando.

Não percebemos que um dia chegaremos ao destino inevitável da morte, onde todas nossas verdade absolutas deixam de ser tão absolutas. Onde se percebe que a vida já passou e que nossa importância não é tão essencial como achávamos ser. Seremos apenas ausência e depois de um tempo nem mesmo isso.

É preciso dar mais atenção a vida. As seis horas, o Natal, o próximo ano hão de chegar, mas que não percebamos isso quando for tarde demais. Meu desejo é que eu e você possamos viver em coerência com a vida que queremos criar hoje e enquanto estivermos aqui.

Boa semana!

O tempo

Mario Quintana

A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.

Quando se vê, já são seis horas!

Quando se vê, já é sexta-feira!

Quando se vê, já terminou o ano…

Quando se vê, já é natal…

Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.

Quando se vê passaram 50 anos!

Agora é tarde demais para ser reprovado…

Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.

Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas…

Sem pressão

Banana, alho, goiaba, laranja, berinjela e limão, o que estes alimentos possuem em comum? Todos eles são aliados de quem tem pressão alta. Bem mais baratos que os remédios tradicionais e sem a pressão do uso diário de medicamentos, estes cinco produtos se consumidos frequentemente podem ajudar no tratamento.

É claro que para tratar de forma efetiva é preciso saber as causas e para isso se faz necessário acompanhamento médico, mas você pode unir ao tratamento produtos naturais que auxiliam a amenizar os sintomas. Veja como utilizar os produtos citados a cima:

Água e limão – recomendável tomar pela manhã e em jejum. Segundo os estudiosos, o limão ajuda a limpar as veias dos radicais livres.

Banana – recomendável comer de uma a duas por dia, pois possui alta concentração de potássio.

 Vitamina de goiaba – indicado tomar pelo menos três vezes por semana. A goiaba tem pouco sódio e alto teor de potássio.

Alho – tem a capacidade de diminuir os níveis de pressão sanguínea e auxilia no relaxamento das veias. Recomenda-se o consumo de dois dentes de alho por dia. Podendo ser consumido cru, cozido ou em forma de chá.

Suco de laranja com berinjela – saboroso e eficaz. Misture meia berinjela para cada laranja com bagaço e um copo de água. É ótimo remédio!

Queridinha do momento

Ela chegou pra ficar, a nova queridinha dos adeptos da alimentação saudável é a cúrcuma. Tempero conhecido dos indianos há pelo menos quatro mil anos. Conhecida por nós como açafrão, a cúrcuma é um poderoso anti-inflamatório. Entretanto, o tempero, para ter seu efeito real teria que ser consumido por nós em toneladas. Mas calma lá, não se precipite achando que então esse lance de usar a cúrcuma em tudo é balela, besteira. Nãoooo! A ciência descobriu que o seu potencial é ampliado em milhares de vezes quando consumido em conjunto com a pimenta do reino (aquela pretinha). Então, você já sabe, cúrcuma em tudo e com ela a pimenta do reino a tira-colo.

Vamos falar de menopausa?!

É comum nós mulheres sofrermos com os sintomas da chegada da menopausa. Antes mesmo dela se instalar de vez, os problemas relacionados a ela tornam a vida uma gangorra de emoções, sensações e frustrações. Insônias, calores, tonturas, inchaços são apenas alguns dos males que a acompanham.

Durante muito tempo, o uso de reposição hormonal foi vista como receio e preconceito, por mulheres e profissionais de saúde. Mas, graças a Deus, isto está mudando. A revolução tecnológica da medicina tem mostrado uma luz no fim do túnel.

Claro, que infelizmente, nem todas nós podemos fazer uso destes paliativos, mas é bom saber que a disseminação de informações de novas descobertas possibilitam uma passagem mais tranquila por todo este processo.

Importante é procurar saber com seu ginecologista qual a melhor opção para seu caso e, se possível, ouvir segunda, terceira, e quantas opiniões forem necessárias para que você se sinta segura.

Para vida ser mais leve…

Neste mês corri pela quarta vez a Corrida do fogo. Este ano foi tudo diferente. O percurso de 10 quilômetros escolhido por mim pode ser feito no local, horário e dia que eu defini. Uma forma encontrada para que não houvesse aglomeração.
Confesso que foi estranho cumprir  a distância e não ter no final dela uma medalha pra colocar no peito, a alegria do banho de mangueira, as centenas de fotos com os amigos corredores e tantas coisas mais que fazem parte do universo da corrida.
Mas, apesar de sentir falta de tudo que deveria integrar o cenário, eu carregava comigo a alegria de alcançar o que me propus.
Na nossa caminhada há momentos em que as provas são solitárias, que sentimos falta de muitas coisas, e isso não significa que a vitória seja menos importante ou menos saborosa.
“A vida é assim… O que ela quer da gente é coragem”
Coragem para ir ou quem sabe para ficar. Porque tem vezes que está opção é a mais desafiadora.
O importante é que independentemente de quais sejam as escolhas feitas na vida elas sempre trarão consigo consequências, boas ou ruins. E não se sabe ao certo quais serão até vivê-las. Se serão erros ou acertos.
Viver é um aprendizado!

Meus erros me trazem profunda tristeza e arrependimento, quando cometidos com uma carga de injustiça. Quando, por motivos nem sempre explicáveis, aceitáveis ou por falta de comunicação, meto os pés pelas mãos e faço uma leitura equivoca de algo.
Neste momento, quando percebo ter cometido tal erro, me sinto injusta, me sinto pouco confiável, me sinto traidora dos meus princípios mais valorosos e então, me arrependo.
Porque é claro que sou das pessoas que preferem arriscar para ver, que viver uma vida de talvez. Mas sou também das que acreditam que sempre se deve reconhecer quando se comete equívocos e pedir desculpas.
Guimarães Rosa já disse,
“… Um sentir é o do sentente, mas outro é do sentidor.”
Quando somos injustos magoamos alguém e quase sempre alguém que nos é importante e que amamos. Então a dor não é só nossa, mas é também do outro.
Essa semana decidi começar assim, repensando posturas e pedindo desculpas pelos erros cometidos sem querer injustamente. E você, que tal rever postura, se colocar no lugar do outro com o qual você teve algum desentendimento, e pedir desculpas se for o caso? A vida fica bem mais leve deste jeito.

Boa semana!

Câncer e treinamento

Falar sobre treinamento de força, a popular musculação, e câncer de mama ao mesmo tempo parece ser um absurdo, mas não é. Os efeitos colaterais do câncer, entre outros, estão na diminuição da força muscular, na diminuição da composição corporal e na fadiga crônica. Estes podem persistir por anos após o termino do tratamento e é aí que entra a atividade de musculação.

O exercício entra como um poderoso aliado no tratamento contra o câncer de mama. Os benefícios desta atividade vêm sendo investigados pelos cientistas e tem apresentado resultados satisfatórios. Por isto a musculação é uma alternativa interessante de terapia não farmacológica. Lembrando que cada caso é um caso e sempre deve haver acompanhamento médico quando se trata de ações de saúde.

Câncer de mama X alimentação

Neste mês do Outubro rosa estamos trazendo aqui algumas dicas semanais envolvendo o cuidado e a prevenção de câncer de mama. Semana passada falamos da importância do treino de força e hoje vamos falar da alimentação.

Você sabia que incluir frutas e verduras no cardápio reduz em até 11% a chances de você ter câncer de mama? Pelo menos é o que afirma um estudo recente da universidade de Harvad, nos Estados Unidos, considerada uma das melhores do mundo.

Segundo os pesquisadores, para ter este benefício é necessário consumir pelo menos cinco porções por dia, de aproximadamente uma xícara de vegetais e frutas e meia de legumes crus ou cozidos. Os vegetais e legumes crucíferos e de coloração amarela ou laranja são os que mais atenuam os riscos de desenvolver a doença.

Atleta de fim de semana… Cuidado!

Que exercício físico traz grandes benefícios quando bem orientado todos nós sabemos. Que é importante praticar pelo menos 30 minutos durante três dias na semana também. O problema é quando a falta de organização do tempo faz com que se queira compensar os dias off da semana em treino com volumes e com intensidades altas, em um só dia, sem períodos de recuperação, querendo entrar em forma ou mesmo mantê-la. Isso não é possível e pode ainda comprometer sua saúde. Nosso organismo precisa se recuperar e tentar compensar a falta dos exercícios fiscos em um só dia da semana pode comprometer seriamente o aparelho locomotor e cardiorrespiratório.

Lesões musculares e até mesmo sérios problemas cardíacos podem acontecer com qualquer um, mas os atletas de final de semana são muito mais propensos a sofrer destes males.

Claro que treinar apenas do fim de semana tem seu lado positivo. Pode se tornar um incentivo para o início das atividades físicas regulares e é melhor do que ficar no sofá se empanturrando de doces, carboidratos e frituras, mas esses exercícios devem ser feitos de forma bastante moderada. Respeitando os próprios limites.

Tudo vale a pena!

Ó mar salgado, quanto do teu sal

São lágrimas de Portugal!

Por te cruzarmos, quantas mães choraram,

Quantos filhos em vão rezaram!

Quantas noivas ficaram por casar

Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena

Se a alma não é pequena.

Quem quer passar além do Bojador

Tem que passar além da dor.

Deus ao mar o perigo e o abismo deu,

Mas nele é que espelhou o céu.

O lindo poema de Fernando Pessoa, Mar Português, é pouco conhecido na sua totalidade. Porém uma de suas frases, “Tudo vale a pena se a alma não é pequena”, já inspirou milhares.

Se olharmos atentamente a estrofe que vem após a frase temos uma bela lição para vida: para ir além do que vão os medianos, para se tornar um desbravador, quebrar barreiras, é preciso passar além da dor. Pagar o preço da conquista.

Quantas vezes desistimos de sonhos e projetos porque é mais fácil ficar na zona de conforto?! Depois olharmos para trás arrependidos, mas em algumas vezes não é possível recomeçar de onde paramos.

Não sou muito de olhar para trás e remoer meus erros, salvo para tentar acertar o prumo, mas jamais para lamentar o que poderia ter feito ou tido se fizesse diferente. O tempo não volta e acho perca de tempo fazer isso já que não posso corrigi-los.

Mas é claro que já me peguei pensando e se…

Estamos há poucos meses de concluir 2020, mais precisamente o último trimestre do ano. Se até agora você não planejou minimamente 2021 está na hora.

Não seja daqueles que ficam no cais vendo os navios zarparem com aventureiros e retornarem com conquistadores de um novo mundo. Faça seu plano de navegação, prepare as velas e os mantimentos é hora de colocar o barco na água e seguir rumo a futuro que você deseja.

Lembre-se do que diz o poema de Fernando Pessoa: “Deus ao mar o perigo e o abismo deu, mas nele é que espelhou o céu.”

Boa Semana!

Global Energy Race

A quinta edição da Global Energy Race, corrida de rua promovida pelo Grupo Bimbo, que entre outros produtos produz o pão pulman, teve suas inscrições encerradas no último domingo. Este ano, diferente das versões anteriores, a corrida foi virtual o que possibilitou que atletas de corrida de rua em cidades onde o evento não acontecia antes participem.

Prova beneficente

A prova é conhecida pelo seu caráter beneficente, além de incentivar a adoção de hábitos saudáveis. As inscrições ocorrem de forma gratuita, mas possibilitam que a cada quilometro percorrido por seus participantes duas fatias de pão sejam doadas em todo o mundo. Nota dez para a iniciativa.

Intestino preso?

Uma alimentação saudável é primordial para que seu intestino funcione bem, mas os exercícios físicos também colaboram para que isso ocorra. Isso porque a cavidade abdominal é composta por músculos e os movimentos da atividade física ajudam a estimular a região.

Sucção neles

A respiração profunda é um dos exercícios que ajudam no bom funcionamento do intestino, a rotação abdominal de um lado para o outro também auxilia, mas o queridinho do momento a sucção (aquele exercício de puxar a barriga pra dentro até formar uma cavidade no meio da barriga) é altamente eficaz.

Saudável e fit é a mesma coisa?

Muita gente acredita que comer saudável é a mesma coisa que comer produtos fit, pois saiba que não é. A alimentação fit é aquela com baixa caloria, seja corte de gordura, de carboidrato ou de açucares. Nesta alimentação o foco é a estética. Os adeptos procuram o emagrecimento e o aumento e definição muscular na maioria das vezes. Já na alimentação saudável, o foco é a saúde. A ideia aqui é comer de forma variada, equilibrada e sem muitas restrições. O objetivo é consumir todos os nutrientes importantes: proteínas, carboidratos, fibras, gorduras “do bem”, vitaminas e minerais.

De volta a rotina

A pandemia deixou muita gente fora da rotina de treino e agora com o retorno das academias e a liberação das atividades a maioria corre atrás do prejuízo. Mas você sabe qual o tempo que leva para você perder massa magra? Ganhar é difícil, mas perder é rápido.

Em 15 dias, os músculos já começam a enfraquecer e ocorre perda de resistência. A partir de 30 dias de pausa, ocorre uma perda maior de força e de capacidade de circulação sanguínea.

Por isso, vale destacar que a retomada do treino – após dias ou mesmo semanas sem prática – não é tão simples quanto parece e precisa ser feita gradativamente. Estima-se que o organismo demora cerca de 3 a 4 semanas para recuperar completamente a rotina de exercícios.

Sua alma tem tempo ou tem pressa?

Eu adoro o livro O pequeno príncipe, como provavelmente quase 100% das pessoas que já o leram. As lições contidas ali são atuais não importa se você está lendo pela primeira, segunda ou terceira vez. Sim, é um livro para se reler sempre. Já li e reli infinitas vezes e pretendo ler outras tantas.

Dos muitos ensinamentos que a obra traz, quero falar de um especificamente hoje:  “Eis o meu segredo: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos. Os homens esqueceram essa verdade, mas tu não a deves esquecer…”

Talvez essa seja a frase mais conhecida e mais usada. Mas será que ela é colocada em prática com a mesma intensidade?

O Autor nos diz que para ver bem, corretamente, é preciso olhar além do que vemos com nossos olhos. É preciso perceber! E perceber não é tão simples. Para perceber algo é preciso dedicar tempo. Precisamos parar e observar a nós e aos outros.

Precisamos ver o essencial, porque é ele que importa e ele é invisível. Ele é percebido e não visto.

Essencial fala de essência e ambos dizem respeito a aquilo que é vital, é imprescindível, é de tamanha importância que chega a ser, em alguns casos, impossível existir sem.

Num mundo tão cheio de distrações como o nosso, como é difícil perceber o que de fato nos é essencial de verdade. Mas como é importante saber isto, caso contrário nos perdemos em emaranhados de coisas e pessoas e deixamos de lado aquilo e aqueles que importam. Inclusive nós mesmos.

Como diz Rubens Alves,

“Mas é preciso escolher. Porque o tempo foge. Não há tempo para tudo. Não poderei escutar todas as músicas que desejo, não poderei ler todos os livros que desejo, não poderei abraçar todas as pessoas que desejo. É necessário aprender a arte de “abrir mão” – a fim de nos dedicarmos àquilo que é essencial.”

Tenho pensado muito sobre isto e buscado em mim respostas. Ando fazendo interessantes descobertas. Estou tal qual Rubens Alves, “Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência. Minha alma tem pressa”.

E a sua? Tem tempo ou tem pressa?

Boa semana!

Acre 40 graus

Se você acha que ultimamente está muito quente, se prepare. Pesquisadores do clima alertaram que esta será uma semana extremamente quente em algumas regiões do país, incluindo o Acre.

A temperatura por aqui deve subir pelo menos três graus, fazendo nossos termômetros marcar 43. A sensação térmica então deve chegar quase a casa dos 50.

O calor excessivo altera a regulação natural do nosso corpo, provocando estresse térmico, e o resultado é dor de cabeça, cansaço, tonturas, irritação, entre outros.

Como se proteger do calor

  • Beba muita água;
  • Use filtro solar acima de 50 e protetor labial com filtro;
  • Use bonés, óculos e camiseta quando estiver no sol, criando barreiras físicas a luz solar;
  • Evite se expor em horário de sol mais intenso.

Tonturas X hormônios

Nunca imaginei que sintomas de tontura pudessem estar relacionados a questões hormonais, mas não é que podem estar. No período que antecede a menopausa, a peri-menopausa, os hormônios começam a cair no organismo e podem provocar alguns sintomas diferentes do que normalmente as mulheres sentem e, seus ciclos.

Quando conhecemos o nosso corpo e o observamos fica mais fácil perceber essas mudanças e identificar que eles podem estar relacionados a essas questões. Por isso, é importante criar uma relação saudável com seu organismo.

Sintomas peri-menopausa

Físicos

Os sintomas físicos mais frequentes na menopausa são – ondas de calor, ou fogachos, intolerância térmica, secura vaginal (podendo causar dor na relação), redução da libido, anorgasmia, alteração de pele e cabelo, alteração do risco cardiovascular, ganho de peso, redução da massa óssea, entre outros.

Os sintomas físicos possuem um forte determinante biológico da perda da ação estrogênica nos tecidos. Os sintomas mais frequentes são fogachos, baixa libido, irregularidade menstrual e secura vaginal. Agora, a questão mais importante é o aumento do risco cardiovascular. O estrógeno protege a mulher com relação ao risco cardiovascular, que é menor em relação ao sexo masculino durante o período fértil e se iguala após a menopausa.

Neurológicos

Sintomas neurológicos são frequentes, tais como: queixas de concentração e memória, sintomas de tontura ou zonzeira, sintomas depressivos e ansiosos, distúrbios de sono, fadiga, entre outros. Nessa fase podem surgir dores no corpo, queixas de dores de cabeça e alguma irritabilidade.

Nem de mais, nem de menos

Estudos publicados no Journal of the American Medical Association Network Open mostra que dormir de mais é tão prejudicial quanto dormir de menos. O excesso de horas de sono também pode levar ao desenvolvimento de diversas doenças, inclusive do Alzheimer.

A National Foudation recomenda que adultos durmam de sete a nove horas toda noite. E, para ter um sono ainda melhor, a entidade sugere estratégias como:

Manter o quarto agradável e escuro;

Não assistir televisão ou utilizar outros tipos de eletrônico perto do horário de ir para cama ou quando estiver deitado;

Não beber cafeína ou álcool ou refeições pesadas horas antes de ir para cama;

Fazer exercícios durante o dia, nunca perto da hora de dormir.

Qual seu limite?

A palavra limite é proveniente etimologicamente do latim limitis. Na matemática, o conceito de limite é usado para descrever o comportamento de uma função à medida que o seu argumento se aproxima de um determinado valor. Já para a geografia, é a divisão entre uma unidade territorial e outra, geralmente entre dois países. Assim parece que um limite é uma divisão, seja física ou simbólica.

Entretanto, limite também pode se referir uma restrição ou limitação. Neste caso pode-se falar de limites legais, sociais e outros.

Para a psicologia, um limite é uma repressão, porém nem sempre negativa.

Em todas as definições acima é possível perceber que são os limites que impedem que um terceiro invada e imponha seus termos sobre outros.

Até aí tudo claro como água. Não parece ser tão difícil compreender o conceito e a necessidade da existência dos limites para o bem estar social. O problema é que compreender é fácil, colocar em prática é que são elas quando o assunto somos nós e nossas relações.

Quantas vezes, algumas até sem perceber, permitimos que nosso território físico e emocional seja invadido ou invadimos o do outro?

Quantas vezes colocamos nosso limite bem distante do valor real que temos, contrariando o conceito matemático da palavra?

Vamos permitindo aos poucos que nosso espaço seja tomado de assalto ou furtado sorrateiramente por aqueles que deveriam nos ser de confiança.

Assim como nas grandes conquistas da humanidade, nos apresentadas pelos livros de história, ao sermos “invadidos” vamos perdendo nossas referências. Vamos nos tornando escravos do conquistador.

Você é responsável por definir os seus limites não aceitando nada menos do que algo ou alguém que lhe faça bem, lhe respeite e lhe ame. Lembre-se sempre do conceito da matemática, o limite é estipulado de acordo com o valor. E você deve ser a pessoa mais importante do universo se não para outro pelo para você.

Boa semana!

O que você tem feito

“Felicidade é está em sua companhia. Felicidade é estar contigo todo dia”, é o que diz a letra da música. Entretanto, um estudo realizado pela Universidade Metodista Meridional, dos EUA constatou que não é bem assim. Felicidade tem mais a ver mais com o que fazemos do que com quem estamos.

Segundo os pesquisadores, as pessoas são mais felizes quando estão com amigos do que com maridos, esposas e filhos. Isto porque estar com estes tem a ver com obrigações cotidianas e com aqueles não.

Por isso é importante você separar sempre tempo para fazer coisas divertidas com seu parceiro e seus filhos. Desta forma cria lembranças felizes tanto para você quanto para eles. Ou você quer ser lembra apenas como aquela ou aquele que estava sempre cobrando algo?!

Manifesto

Na última semana, o Ministério da Agricultura emitiu Nota Técnica para alteração do Guia Alimentar dos Brasileiros (documento que dá as diretrizes das políticas governamentais de incentivo a qualidade alimentar da população).

A nota causou revolta entre profissionais e pesquisadores da área de nutrição e saúde, pois vai de encontro o alerta sobre os malefícios dos alimentos ultraprocessados, e deu origem a um manifesto que precisa do nosso apoio. Vai lá e confira no instagram @aliancaalimentar.

A decisão do governo vai de encontro ao que diz a ciência sobre alimentos ultraprocessados e seus malefícios para a saúde das pessoas, mas atende ao pedido de grandes indústrias.

Candidíase

Na coluna passada publiquei o estudo do Ibope sobre o alto índice de candidíase entre brasileiras (de cada 3 quatro tem ou já teve a doença, 52% tem na forma recorrente), hoje o tema continua sendo este fungo.

A Candida Albicans (nome científico do fungo) existe em nosso organismo naturalmente, mas que quando sua proliferação se descontrola, ele causa transtornos muito incomodo as mulheres, como corrimento, coceira e ardor na região vaginal.

Pois bem, saiba que a alimentação está diretamente ligada ao aumento da colônia. Açucares, carboidratos refinados, leite são apenas alguns dos alimentos que você precisa manter certa distância para ter uma vida mais tranquila.

Converse com os profissionais de saúde que tratam de você nesta área, ginecologistas e nutricionistas, e viva mais feliz sem os incômodos que ela causa. 

Pela hora da morte

O arroz está pela hora da morte, como diz o ditado popular para algo que está com preço exorbitante, né verdade? Mas saiba que existem outros tipos de carboidratos que podem substituí-lo com maestria. A internet está cheia de receitas e matérias ensinando a substituir o grão de arroz por outro grão. Vale dar uma pesquisada e variar alguns dias da semana. O bolso e a dieta agradecem.

Xiiii, silêncio!

Um estudo publicado na revista científica Brain Structure and Function feito em ratos mostrou o efeito do silêncio sobre o cérebro. Os pesquisadores descobriram que quando os ratos foram expostos a duas horas de silêncio completo diário foram desenvolvidas novas células na região do cérebro associada à memória, emoção e aprendizado.

O silêncio alivia o estresse e traz autoconhecimento.

Infelizmente no mundo moderno estamos constantemente em ambiente com algum tipo de ruído, por isso é extremamente importante vez por outra fazer uma pausa e fugir para algum lugar calmo e sem barulhos.

É Primavera!


Leonardo Boff diz que “Todo ponto de vista é a vista de um ponto.” E essa é a mais pura e cristalina verdade.
Muitas vezes precisamos nos afastar de nós mesmos para ver a situação que estamos vivenciando por outra perspectiva. E assim conseguirmos enxergar coisas que não vemos pela proximidade que estamos dela.
Na última semana iniciei o psicodesafio Flor&Ser (florescer), juntamente com um grupo de mulheres, a maioria completamente desconhecidas pra mim até o dia 10 de setembro, quando ele começou. O mesmo é coordenado pelas psicólogas Sueinny Pettry (@suennypsi) e Fernanda Jerônimo (@fernanda_jeronimo).
Tem sido dias interessante e dolorosos. Engraçado como escondemos sentimentos tão fundo para torná-los invisíveis aos outros que eles também se tornam invisíveis pra nós.
Interessante perceber o quanto costumamos ser complacentes com os outros e cruéis conosco. O quanto sabotamos nosso desenvolvimento por conta de coisas e atitudes ditas e feitas por outros.
Mesmo que involuntariamente, nos esforçamos para agradar aos outros, caber no mundo de outros e o pior, quanto mais nós fazemos isso mais distantes nós ficamos da nossa essência.
Nossa insegurança se projeta ao ponto de desenvolvermos inúmeros pensamentos sabotadores que nos limitam e nos aprisionam.
Nascemos livres, o mundo nos aprisiona, e precisamos trabalhar em nós incansavelmente e sempre até que a liberdade ocorra novamente.
É como disse o revolucionário Che Guevara podem matar uma ou duas rosas, mas jamais conseguirão deter a primavera.
Estamos em setembro, Floresça!
Boa semana.

Depressão a doença invisível
Um dor sem causa aparente, um sofrimento que muitas vezes fica escondido por anos atrás de um aparente sorriso de felicidade. A depressão é a doença invisível que faz da vida de quem sofre dela um tormento diário e infindável ao ponto de muitos tirarem a própria vida. Das 850 mil causas de suicídio no mundo, 85% são provenientes da depressão e mesmo assim, a maioria das pessoas que convivem com ela não se matam, o que significa que o número de pessoas acometidas da doença é bem maior.
Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que 350 milhões de pessoas pelo mundo sofrem de depressão, 18% a mais do que há dez anos. O número representa quase 5% da população do planeta. No caso do Brasil, a OMS estima que 7,5% da população nacional seja afetada pela doença.


Por quê?
Vivemos um mundo cada vez mais exigente, onde precisamos vencer e estar dentro dos padrões estabelecidos. A dificuldade em atender as expectativas e o grau de exigência a que somos submetidos são as principais causas do problema. Crescemos aprendendo a sonhar alto, a nos tornarmos vencedores, pessoas de sucesso e amadas. E quanto isso não segue o padrão imposto surge a frustração que aliada a predisposições, traço de personalidade ou talvez uma herança genética… bum, estoura!


Ter sucesso
Mas o que é ter sucesso? Nem sempre ter uma conta bancária recheada, um emprego dos sonhos, um corpo perfeito é sinônimo de sucesso. Por trás de uma aparente vida de facilidades, pode existir outras frustrações que fazem tão mal quanto estar desempregado, sem um tostão no banco ou acima do peso. Precisamos entender que sucesso fala muito mais de se estar satisfeito com a vida que se leva do que com qualquer outra coisa. Darwin, pai da evolução já disse, quem sobrevive não é o mais forte, mas o mais adaptável. Aquela pessoa que consegue passar pelos problemas sabendo que tudo na vida é passageiro e não há mal que sempre dure e nem felicidade que seja eterna.
Sem preconceitos
Mas uma coisa é preciso ficar bem clara, depressão é uma doença e como qualquer doença deve ser tratada por um profissional habilitado. Infelizmente, a depressão como outras doenças que tenha algum viés psicológico acabam sendo deixadas de lado pelos pacientes e pelas pessoas que convivem com eles. O preconceito faz com que não se procure um médico. Apenas 10% das pessoas acometidas de depressão procuram ajuda e mesmo assim, a maioria espera pelo menos seis meses para isso. Te pergunto, se você quebrasse a perna esperaria seis meses para ir ao médico? Ou se tivesse tendo algum tipo de dor no peito? Com tantas informações, não podemos continuar sendo agindo como seres do tempo das cavernas, né?!


O Suicídio e os Transtornos alimentares
Os transtornos alimentares estão entre as doenças psiquiátricas que mais matam. Algumas estatísticas dizem que estão em segundo lugar, outras colocam os transtornos desta natureza em primeiro.
A maioria destas mortes estão ligadas ao suicídio e estes associados a anorexia nervosa.
A relação entre os nutrientes e a saúde mental é via de mão dupla. O Transtorno atrapalha a comer, o que contribui para que quimicamente as coisas no cérebro não funcionem como deveria. Como um ciclo vicioso, a química alterada pode levar a pessoa a pensar e praticar o suicídio. Por isso é tão importante além do acompanhamento psicológico o acompanhamento nutricional.
O alerta neste Setembro Amarelo para esta questão é do nutricionista Cezar Vicente Junior (@nutricionista.cezar). Ele é co-autor do livro Nutrição Comportamental e especialista em transtornos alimentares.

Novo normal?!


Semana passada um amigo perguntou em seu perfil no instagram o que achávamos no home office como novo normal. Confesso que gosto de home office e acredito que ele veio para ficar em algumas situações, mas odeio o termo novo normal.
Talvez pela sensação que ele me traga. Uma percepção de que a nossa vida como era antes foi descartada com facilidade. Sem dor e sem relutância de nossa parte.
É claro que tudo mudou, que a pandemia do corona vírus veio como divisor de época. As relações e o mundo como era antes não vão voltar tão cedo a existir e talvez nunca voltem.
O inimigo é invisível e provavelmente é o primeiro de uma série de outros que podem surgir se não mudarmos muito da nossa relação com o meio ambiente. Mas aceitar essa nova realidade pacificamente não se encaixa numa personalidade como a minha.
Prefiro chamar esse tempo, como período de transição, do velho ao novo modelo de vida. Assim, a dor da perda do que tínhamos antes é amenizada enquanto me conformo com uma realidade sem abraços, com máscaras e sem aglomerações.
A espontaneidade agora é comedida e dá lugar a cautela nos encontros e nos relacionamentos.
Este tempo mexeu com quase todos. Vínhamos num ritmo acelerado e fomos parados abruptamente. A frenagem levantou alertas interiores e serviu para repensarmos muitas das nossas atitudes e do que nos era importante.
Neste período de transição seguimos pensando e repensando a vida, pelo menos uma boa parte de nós.
Percebemos que nem tudo é eterno, que existe prazer nas coisas simples, que a saúde é um bem precioso demais para ser colocado em segundo plano. Estas são algumas dentre tantas outras descobertas.
Se sairemos mais maduros ou melhores deste tempo? Não há como saber. Talvez sim, talvez não.
Por enquanto, no meu caso, sigo ressignificando coisas, sentimentos, sensações. Vou caminhando, aprendendo um novo jeito de ver a vida. Pegando emprestado frases e poemas, embalando o caminhar com muita música e suportando com gratidão tudo que não consigo mudar.
Para vocês uma boa semana nas palavras de Cora Coralina…
“Eu sou aquela mulher a quem o tempo muito ensinou.
Ensinou a amar a vida.
Não desistir da luta.
Recomeçar na derrota.
Renunciar a palavras e pensamentos negativos.
Acreditar nos valores humanos.
Ser otimista…”

Somatização
Por muito tempo não se sabia da relação existente entre o estado emocional e psíquico com saúde física. Acreditava-se apenas que eles estavam ligados a saúde mental de uma pessoa. Entretanto, hoje se sabe que condições psicológicas, como a ansiedade e a depressão, por exemplo, podem gerar sintomas físicos. E quando isso acontece repetidas vezes chamamos de transtorno de somatização.
Ela pode ocorrer como resultado do nosso corpo tentando lutar contra o estresse emocional e psicológico, resultando no aparecimento de sintomas pincipalmente no sistema digestivo, nervoso e reprodutivo.

Sintomas


Nestes tempos incertos de pandemia é preciso estar atento as manifestações do nosso corpo e observar se os problemas físicos que vem se manifestando não possuem um fundo emocional contido nele.
Os sintomas mais comuns da somatização incluem:

  • Queda no sistema imunológico;
  • Dores no corpo, pescoço e nas costas;
  • Problemas articulares;
  • enxaquecas;
  • Formigamentos nos braços e pernas;
  • Zumbido no ouvido;
  • Dermatites;
  • Azia, refluxo, diaréia,
  • Problemas respiratórios.

Pandemia de sedentarismo
Uma matéria publicada na BBC no último dia 30 de agosto levantou um alerta. A COVID 19 pode levar a população mundial a um surto de obesidade.
A matéria alerta para a diminuição dos níveis de atividade física realizada pela população mundial nos meses de isolamento social e como esta pode resultar numa pandemia de sedentarismo e consequentemente nas doenças ligadas a inatividade.
Mesmo com o retorno das atividades ao ar livre os números continuam em queda. A maior delas entre jovens de 18 a 29 anos.
“Altos níveis de estresse podem afetar nosso sono e nos fazer sentir lentos e cansados, reduzir nossos níveis de energia e nos tornar menos propensos a fazer exercícios”, disse Punam Krishan, diretor da Sociedade Britânica de Medicina de Estilo de Vida.

Atividade X alimentação
Quando não nos exercitamos ficamos mais propensos a nos alimentar de forma errada, com maior consumo de doces e carboidratos, o que nos prende em um ciclo negativo que acaba afetando nossa saúde física e nosso bem-estar emocional e mental.

Alerta mundial
Vários países relataram que medidas de isolamento levaram ao ganho de peso em sua população em algum momento — no Brasil, por exemplo, uma pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais mostrou que quase quatro em cada dez pessoas engordaram durante a pandemia

.

Que não nos falte inspiração

Costumo escrever a coluna sempre aos domingos no fim da tarde. Acho esse momento inspirador. É um momento de transição entre a alegria do final de semana de descanso com a família e a ansiedade pela semana que vai começar.

Há quem odeia ver o domingo chegar ao fim, acha que é um momento de melancolia, pois com a semana que desponta vem também trabalho, lutas e preocupações.

Pois bem, não me enquadro neste perfil. Novas possibilidades me mantém viva. Eu gosto de segundas-feiras.

Entretanto, neste domingo foi diferente. Me faltava inspiração. Bati cabeça para escrever este texto de abertura. Faltava algo para dar o start, a fagulha que faz tudo incendiar e torna a velocidade do pensamento tão rápido que mal os dedos no teclado conseguem acompanhar.

Pensei em escrever sobre responsabilidades, me intriga saber que os seres irracionais conseguem sentir o perigo e fugir para bem longe, alertados pelo extinto de sobrevivência, enquanto nós, seres racionais, que temos a capacidade de pensar, acabamos sendo atraídos muitas vezes pelo perigo ao invés de fugir.  Pensei em falar sobre otimismo, algo tão necessário nestes tempos estranhos do novo normal (odeio esse termo). Mas nada despertou em mim a vontade de seguir a diante com estes assuntos.

Ao longe alguém ouvia uma música do Renato Russo que adoro e isso me chamou atenção. Principalmente o texto que diz: “Mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira, mas não sou mais tão criança a ponto de saber tudo…”

Renato Russo em sua genialidade nos falou tantas verdades em formas de versos e por isso até hoje suas músicas continuam atuais e se encaixa em situações de nossas vidas.

Não sabemos tudo como diz a música, ou melhor, não sabemos nada.

Insistimos em acreditar que o outro ou situações externas tem nossas respostas, mas elas estão em nós, mesmo que nos falte força e coragem para admitir.

Buscar descobrir os gatilhos mentais que nos impedem de avançar ao ponto que queremos é uma viagem interior de descobertas. Algumas nem tão divertidas como gostaríamos que fossem, mas necessárias.

Nesta busca não vale mentir para si mesmo. É preciso encarar de frente nossas responsabilidades pelos erros e acertos do caminho. Por isso hoje, meu texto é apenas para te dizer: levanta a cabeça, vista-se de otimismo, a tempestade sempre passa, por mais que demore, ela passa.

Boa semana!  

Boa notícia!

Boa notícia para quem estava morrendo de saudade de puxar um ferro, a maioria das academias reabriram ontem.

No finalzinho da semana passada saiu a publicação no Diário Oficial do Estado liberando a reabertura, claro com uma série de restrições em virtude da Covid-19.

Os espaços não podem receber mais de 30% de sua capacidade, vestiário e banheiros fechados, uso de álcool gel e mascaras por clientes e profissionais, higienização de aparelhos reforçada. Tudo nos conformes!

A responsabilidade também é sua

As empresas estão se prepararam para fazer sua parte, mas nós somos os principais responsáveis por nossa segurança e saúde. Não se esqueça disso! Se você é daqueles que já separou a roupa para ir, fique sempre atento e cumpra as medidas de segurança. Esqueça o bate-papo com o colega no aparelho ao lado e trata de malhar. Outra dica também é não alugar o aparelho enquanto fica no celular. Você só poderá ficar na academia uma hora e os outros também precisam usar os aparelhos, né?!

Péssima notícia!

A nova Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), do IBGE, divulgada na sexta-feira, 21, aponta que na última década os hábitos alimentares dos brasileiros vêm mudando de forma gradativa e acentuada.

Mesmo o arroz, o feijão e uma proteína ainda sendo frequentes no prato houve redução no consumo desses alimentos e aumento na ingestão de fast-food. A frequência na ingestão de sanduíches e pizzas cresceu de 10,5% para 17%, enquanto o consumo de arroz, feijão, carnes e frutas caíram em média 10%.

Segundo a pesquisa, os alimentos ultra processados (ricos em carboidratos e acúcares, com baixíssimo valor nutricional) somam cerca de um quinto das calorias consumidas. A maior participação destes alimentos está na alimentação de adolescentes (26,7%), seguido por adultos (19,5%) e menor entre idosos (15,1%).

O que tá rolando na quarentena?

Dia destes eu publiquei aqui na coluna, o trabalho bem interessante desenvolvido por uma turma de profissionais da área da saúde e do esporte, o Wod Home. Pois bem, a partir dele percebi na rede várias iniciativas interessantes de profissionais destas áreas voltados a disseminar uma vida saudável na quarentena.

Diante disso, revolvi estar postando aqui algumas destas iniciativas. Se você tem uma e quer divulga-la é só mandar um direct no instagram (@rachelmoreiraac) ou mandar um email (rachelmoreiracoelho@gmail.com) que vou estar avaliando a publicação.

Emagrecer saudável 

Uma destas ideias interessantes que estou divulgando aqui é a da Educadora física Lu Mesquita (@lu_mesquita). Ela iniciou um projeto na quarentena chamado Emagrecer saudável, onde presta consultoria, juntamente com uma equipe multiciplicinar, a pessoas interessadas a emagrecer através da reeducação alimentar aliada a exercícios físicos.

O projeto vem dando tão certo que já está na décima edição. E tem deixado os adeptos bem felizes com o resultado. Além do programa de exercícios, os alunos têm acompanhamento nutricional e de coaching. A ordem por lá é mudança comportamental. Tá pensando que é brincadeira a coisa?!

Enfermeiros pela PL 2564/2020

Outra coisa que tá rolando na quarenta é o Projeto de Lei n° 2564/2020, que visa estabelecer o piso salarial dos profissionais de Enfermagem. A iniciativa é uma das grandes lutas travadas pela categoria há anos e que ganhou força na pandemia.

A categoria, assim como os demais profissionais de saúde estão se desdobrando para cuidar das vítimas da Covid – 19 e precisam do nosso apoio. O projeto está no Senado Federal para ser analisado e votado.

Na proposta a ser analisada o valor do piso para enfermeiros é de R$ 7.315. Para os técnicos, é de 70% sobre o piso do enfermeiro (R$ 5.120,50) e para auxiliares é de 50% (R$ 3.657,30), todos com base em jornada de trabalho de 30 horas. Acima desta carga horária, terá correspondência proporcional.

Por se tratar de uma PL de interesse para toda a categoria, é possível dar a opinião no site do Senado Federal. A opinião pública é apenas de caráter consultivo e não decisivo, por isso, faz-se necessário que a população incentive e solicite aos parlamentares a aprovação da lei.

Vamos lá?!

PATROCINADORA DO SITE

Sem máscaras


Item de acessório indispensável nos últimos meses, a máscara deve ser usada para evitar a contaminação com o corona vírus e o desenvolvimento da Covid – 19.
Os modelos e os materiais com que são confeccionadas são os mais variados. Os preços então, nem se fala.
Às máscaras permitem nos movimentarmos com menos medo e com certa liberdade após meses de isolamento social.
Diferente das máscaras da alma, aquelas que as vezes usamos para também sobreviver, de certa forma, no mundo.
Não é de hoje que o medo de não ser aceito faz com que muitos se transformem aparentemente para se encaixar no meio social em que vivem.
Tal artimanha gera tensão, ansiedade, e aprisiona. Sensações bem diferente das que a máscara contra a Covid nos traz.
Nunca o mundo esteve tão digital. Nunca a vida virtual, vivida nas redes sociais, esteve tão presente. Nunca se usou tantas máscaras de alma.
Para alguns, a aceitação, sinônimo do sucesso, está no número de seguidores e para mantê-los vale representar o papel requerido.
Como a vida imita a arte, a série Chicago Med, em um dos seus episódios, retrata com maestria essa relação existente na rede social. Vale muito assitir e ver o desfecho da história de um jovem que arrisca a própria vida para atender as exigências de seus amigos virtuais. Enquanto sofre todo tipo de abuso psicológico para não perder likes e interação.
Assim como nas máscaras de tecido, às máscaras da alma também possuem um preço a ser pago. E não falo só das usadas nas redes, mas de todas aquelas que nos dispomos a vestir ao longo da nossa vida.
Mas será que vale pagá-lo? Nossa liberdade de ser que somos, sem amarras, é um bem preciso demais, valioso demais, para ser trocado por coisas tão fugazes e sem valor.
É da filósofa e  revolucionária Rosa Luxemburgo a frase: “Quem não se movimenta, não sente as correntes que o prendem.”.
É preciso sair da ilha para ver a ilha, disse o poeta Saramago.
Ambos, com sua forma e seu jeito, nos mostram a importância de estarmos em movimento para percebermos a realidade de fato.
Vivemos em bolhas e estas nos impedem de perceber todas as amarras que nos cercam e nos aprisionam.
Como um elefante preso a um pequeno toco que não percebe a força que possui, muitas vezes não temos a noção que somos muito maiores e mais fortes do que imaginamos. capazes de arrancar as máscaras que nos aprisionam e viver, independente do que pensam e querem os outros. Seguidos por quem pensa e se identifica conosco.
Boa semana!

Você cuida da fáscia?
Não! Não é pegadinha e nem tão pouco uma pessoa de nome esquisito. A fáscia é um tecido conjuntivo que vai da cabeça aos pés, feita principalmente de colágeno. Esse tecido envolve o sistema músculo-esquelético e órgãos internos, incluindo coração, pulmões, cérebro e medula espinhal.
Ela é responsável por depositar tecido cicatricial quando o corpo está ferido ou infectado. Ou seja, após uma lesão, ela trabalha na recuperação do tecido. E por isso é muito importante cuidar dela.

O que acontece quando não cuidamos
Quando esse tecido perde a lubrificação no espaço entre ele, os músculos e órgãos, ele resseca e “endurece” formando nós, que se tornam pontos de tensão. Assim, podem ocorrer problemas como fibromialgia, fadiga crônica e dores no corpo em geral.
Por isso, alongar-se é tão importante para sua saúde.

As principais causas de uma fáscia doentia incluem:

Estilo de vida sedentário;

Má postura;

Desidratação;

Hábitos alimentares pouco saudáveis;

Má qualidade do sono;

Estresse.

A importância da saúde bucal
Cuidar dos dentes e gengivas vai além de querer ter um dente bonito.
Muito se sabe sobre a importância da saúde bucal para um coração saudável, além de outros benefícios. Mas agora deacobriu-se também que cuidar da saúde bucal também ajuda a combater a Covid- 19.
Segundo pesquisadores da Universidade Ruhr-Bochum, da Alemanha, o uso de algumas marcas de enxaguante bucal são capazes de inativar o novo coronavírus. Publicado no The Journal of Infectious Diseases, o estudo leva em consideração que as glândulas salivares são os principais locais de replicação e transmissão do vírus.

Tomate pra pele
Pesquisadores britânicos descobriram que se consumido diariamente por no mínimo três meses, o tomate e o azeite auxiliam na manutenção de uma pele macia e viçosa. A união do licopeno,  o carotenóide que dá ao tomate a cor vermelha, é fundamental para combater os sinais do envelhecimento, como linhas finas e rugas.A vitamina A é outra aliada a reparar as células danificadas da pele.

Exercícios pra que te quero?
Quando falamos em exercícios, a maioria das pessoas pensa logo em corrida, academia, pelada e todo tipo de atividades voltadas para melhorar o condicionamento físico, mas saiba que outras partes do nosso corpo também precisam de cuidados. A face, as cordas vocais, a respiração, o maxilar e até o cérebro precisam se exercitar.
Para isso é preciso dedicar atenção para essas partes do corpo e buscar realizar atividades voltadas para o fortalecimento das mesmas.
Buscar profissionais especializados é uma alternativa, mas infelizmente não é acessível a todos.