Vamos falar de gordofobia?

Não, não é mimimi. Para quem vive na pele o problema não se trata de frescura, mas de viver situações constrangedoras por conta do peso do seu corpo ou as vezes por conta da estrutura óssea que possui.

É claro que existe uma linha tênue entre debater o ser/estar gordo pela ótica do preconceito e da aceitação e pela ótica do não estou nem aí para saúde.

Há quem faça desta linda bandeira de luta, a gordofobia, uma cortina de fumaça a um problema muito maior, que envolve sérios transtornos emocionais e alimentares.

Precisamos nos unir para mudar essa imposição de corpo perfeito criada na nossa sociedade, que trata a magreza como símbolo de sucesso e aceitação. Isso impõe sofrimento e tristeza à muitas pessoas que na ânsia de se adequar aos padrões acabam se sujeitando a métodos absurdos e adoecendo por conta disso. Principalmente adolescentes e jovens, que sem maturidade para lidar com a pressão por aceitação acabam caindo em algumas ciladas.

Da mesma forma, não podemos fechar os olhos e fingir que a obesidade não é um problema de saúde pública. São milhares de pessoas morrendo em virtude das doenças associadas a ela.

É preciso buscar o equilíbrio, cuidar da alimentação, do corpo, da saúde, de forma a ter uma vida saudável e ativa. Sem exageros! Sem imposições!

Este deve ser um processo e uma escolha pessoal, nosso papel enquanto sociedade é criar um ambiente favorável de paz, aceitação e tranquilidade para que o indivíduo possa passar por este processo interno e externo, caso queira, no momento dele e não por pressão social.

Um corpo perfeito não pode ser sinônimo de sucesso, até porque a perfeição é relativa e inexistente. O conceito de beleza é mutável.

O importante é aceitar e entender que o nosso corpo é morada da nossa alma e espírito e, portanto, precisamos cuidar dele com sabedoria, respeitando-o, e principalmente amando-o.

Quem ama, cuida!

Boa semana.  

Açái é bom pra pressão alta!

Nada de leite condensado e nem de creme de leite. Guaraná em pó ou em xarope, então, nem pensar! O lance é tomar o açaí puro ou, se for demais pra você, com um pouco de açúcar mascavo. Nada além disso. Pelo menos se a sua intenção for usar a fruta com o intuito de baixar a pressão.

Estudo que acaba de ser publicado no International Journal of Cardiovascular Sciences, da Sociedade Brasileira de Cardiologia, pelo nutricionista mineiro Heitor Oliveira Santos, pesquisador da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), mostra que o açaí nestas condições tem impacto positivo na saúde cardiovascular.

Artérias dilatadas

Segundo o pesquisador, a ingestão de 150 gramas de polpa de açaí é capaz de provocar um aumento de 1,4% na dilatação das artérias, nas horas subsequentes ao seu consumo. A lógica, a grosso modo é, artérias dilatadas, fluxo sanguíneo melhor, pressão melhor.

“Como o efeito é agudo, fácil deduzir que, em matéria de pressão, o consumo ocasional não trará resultado. Nem adianta comer açaí uma vez por semana”, diz o nutricionista. “Melhor seria se virasse lanche entre as principais refeições com certa frequência ou todos os dias”

Calorias a vista…

Você pode estar pensando: Tá bom. Pressão ok! E as calorias a mais deste consumo diário de açaí, em forma de quilinhos extras, faço o que com elas? Calma! Não se desespere. Saiba que uma porção de 150 gramas de açaí puro tem menos que 100 calorias. O problema é que costumamos consumi-lo com uma série de outros ingredientes, principalmente o leite condensado e o creme de leite. Aí, uma bomba calórica é detonada no seu organismo.

Efeitos na TPM

E tem mais, o açaí é excelente para aliviar os efeitos da TPM. Rico em sais minerais, ferro, fósforo e cálcio, ele reduz os transtornos das mulheres durante seu ciclo menstrual, porque ele previne sensações incômodas, inchaços e câimbras.

Protocolo de segurança para treinos externos

O Globo esporte desta semana trouxe uma matéria super interessante com dicas sobre a prática esportiva em ambientes externos durante a pandemia.

As dicas de precaução e cuidados são baseadas nas diretrizes da Associação Internacional de Federações de Atletismo e do Instituto Internacional de Medicina em Corridas, que reuniram médicos e especialistas neste sentido.

O protocolo de segurança foi criado para que os treinos aconteçam da forma mais segura possível, desde que sua prática esteja autorizada pelas autoridades locais.

A orientação começa com um alerta, pessoas do grupo de risco, com sintomas ou acometidas de Covid não saiam para treinar em hipótese alguma.

Veja as dicas:

  • Usar máscaras, porque atleta precisa dar exemplo;
  • Manter obrigatoriamente as determinações de distanciamento social entre as pessoas de no mínimo 1,5m;
  • Levar álcool em gel 70% e material de apoio para eventuais desconfortos e necessidade de higienização. Além de uma máscara extra para caso de dano ou umidade excessiva na primeira;
  • Usar sua própria garrafinha de água;
  • Fazer retorno progressivo;
  • Caso tenha dificuldade de respirar parar imediatamente e procurar um médico;
  • Voltar para casa imediatamente após o treino.

Publicado por elatem50

Jornalista, advogada, adepta da vida saudável, da prática esportiva. Assina 🗞 Coluna de bem-estar no @jornalopiniao #⃣ #ElaTem50

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: