É Primavera!


Leonardo Boff diz que “Todo ponto de vista é a vista de um ponto.” E essa é a mais pura e cristalina verdade.
Muitas vezes precisamos nos afastar de nós mesmos para ver a situação que estamos vivenciando por outra perspectiva. E assim conseguirmos enxergar coisas que não vemos pela proximidade que estamos dela.
Na última semana iniciei o psicodesafio Flor&Ser (florescer), juntamente com um grupo de mulheres, a maioria completamente desconhecidas pra mim até o dia 10 de setembro, quando ele começou. O mesmo é coordenado pelas psicólogas Sueinny Pettry (@suennypsi) e Fernanda Jerônimo (@fernanda_jeronimo).
Tem sido dias interessante e dolorosos. Engraçado como escondemos sentimentos tão fundo para torná-los invisíveis aos outros que eles também se tornam invisíveis pra nós.
Interessante perceber o quanto costumamos ser complacentes com os outros e cruéis conosco. O quanto sabotamos nosso desenvolvimento por conta de coisas e atitudes ditas e feitas por outros.
Mesmo que involuntariamente, nos esforçamos para agradar aos outros, caber no mundo de outros e o pior, quanto mais nós fazemos isso mais distantes nós ficamos da nossa essência.
Nossa insegurança se projeta ao ponto de desenvolvermos inúmeros pensamentos sabotadores que nos limitam e nos aprisionam.
Nascemos livres, o mundo nos aprisiona, e precisamos trabalhar em nós incansavelmente e sempre até que a liberdade ocorra novamente.
É como disse o revolucionário Che Guevara podem matar uma ou duas rosas, mas jamais conseguirão deter a primavera.
Estamos em setembro, Floresça!
Boa semana.

Depressão a doença invisível
Um dor sem causa aparente, um sofrimento que muitas vezes fica escondido por anos atrás de um aparente sorriso de felicidade. A depressão é a doença invisível que faz da vida de quem sofre dela um tormento diário e infindável ao ponto de muitos tirarem a própria vida. Das 850 mil causas de suicídio no mundo, 85% são provenientes da depressão e mesmo assim, a maioria das pessoas que convivem com ela não se matam, o que significa que o número de pessoas acometidas da doença é bem maior.
Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que 350 milhões de pessoas pelo mundo sofrem de depressão, 18% a mais do que há dez anos. O número representa quase 5% da população do planeta. No caso do Brasil, a OMS estima que 7,5% da população nacional seja afetada pela doença.


Por quê?
Vivemos um mundo cada vez mais exigente, onde precisamos vencer e estar dentro dos padrões estabelecidos. A dificuldade em atender as expectativas e o grau de exigência a que somos submetidos são as principais causas do problema. Crescemos aprendendo a sonhar alto, a nos tornarmos vencedores, pessoas de sucesso e amadas. E quanto isso não segue o padrão imposto surge a frustração que aliada a predisposições, traço de personalidade ou talvez uma herança genética… bum, estoura!


Ter sucesso
Mas o que é ter sucesso? Nem sempre ter uma conta bancária recheada, um emprego dos sonhos, um corpo perfeito é sinônimo de sucesso. Por trás de uma aparente vida de facilidades, pode existir outras frustrações que fazem tão mal quanto estar desempregado, sem um tostão no banco ou acima do peso. Precisamos entender que sucesso fala muito mais de se estar satisfeito com a vida que se leva do que com qualquer outra coisa. Darwin, pai da evolução já disse, quem sobrevive não é o mais forte, mas o mais adaptável. Aquela pessoa que consegue passar pelos problemas sabendo que tudo na vida é passageiro e não há mal que sempre dure e nem felicidade que seja eterna.
Sem preconceitos
Mas uma coisa é preciso ficar bem clara, depressão é uma doença e como qualquer doença deve ser tratada por um profissional habilitado. Infelizmente, a depressão como outras doenças que tenha algum viés psicológico acabam sendo deixadas de lado pelos pacientes e pelas pessoas que convivem com eles. O preconceito faz com que não se procure um médico. Apenas 10% das pessoas acometidas de depressão procuram ajuda e mesmo assim, a maioria espera pelo menos seis meses para isso. Te pergunto, se você quebrasse a perna esperaria seis meses para ir ao médico? Ou se tivesse tendo algum tipo de dor no peito? Com tantas informações, não podemos continuar sendo agindo como seres do tempo das cavernas, né?!


O Suicídio e os Transtornos alimentares
Os transtornos alimentares estão entre as doenças psiquiátricas que mais matam. Algumas estatísticas dizem que estão em segundo lugar, outras colocam os transtornos desta natureza em primeiro.
A maioria destas mortes estão ligadas ao suicídio e estes associados a anorexia nervosa.
A relação entre os nutrientes e a saúde mental é via de mão dupla. O Transtorno atrapalha a comer, o que contribui para que quimicamente as coisas no cérebro não funcionem como deveria. Como um ciclo vicioso, a química alterada pode levar a pessoa a pensar e praticar o suicídio. Por isso é tão importante além do acompanhamento psicológico o acompanhamento nutricional.
O alerta neste Setembro Amarelo para esta questão é do nutricionista Cezar Vicente Junior (@nutricionista.cezar). Ele é co-autor do livro Nutrição Comportamental e especialista em transtornos alimentares.

Publicado por elatem50

Jornalista, advogada, adepta da vida saudável, da prática esportiva. Assina 🗞 Coluna de bem-estar no @jornalopiniao #⃣ #ElaTem50

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: