Vamos falar de gordofobia?

Não, não é mimimi. Para quem vive na pele o problema não se trata de frescura, mas de viver situações constrangedoras por conta do peso do seu corpo ou as vezes por conta da estrutura óssea que possui.

É claro que existe uma linha tênue entre debater o ser/estar gordo pela ótica do preconceito e da aceitação e pela ótica do não estou nem aí para saúde.

Há quem faça desta linda bandeira de luta, a gordofobia, uma cortina de fumaça a um problema muito maior, que envolve sérios transtornos emocionais e alimentares.

Precisamos nos unir para mudar essa imposição de corpo perfeito criada na nossa sociedade, que trata a magreza como símbolo de sucesso e aceitação. Isso impõe sofrimento e tristeza à muitas pessoas que na ânsia de se adequar aos padrões acabam se sujeitando a métodos absurdos e adoecendo por conta disso. Principalmente adolescentes e jovens, que sem maturidade para lidar com a pressão por aceitação acabam caindo em algumas ciladas.

Da mesma forma, não podemos fechar os olhos e fingir que a obesidade não é um problema de saúde pública. São milhares de pessoas morrendo em virtude das doenças associadas a ela.

É preciso buscar o equilíbrio, cuidar da alimentação, do corpo, da saúde, de forma a ter uma vida saudável e ativa. Sem exageros! Sem imposições!

Este deve ser um processo e uma escolha pessoal, nosso papel enquanto sociedade é criar um ambiente favorável de paz, aceitação e tranquilidade para que o indivíduo possa passar por este processo interno e externo, caso queira, no momento dele e não por pressão social.

Um corpo perfeito não pode ser sinônimo de sucesso, até porque a perfeição é relativa e inexistente. O conceito de beleza é mutável.

O importante é aceitar e entender que o nosso corpo é morada da nossa alma e espírito e, portanto, precisamos cuidar dele com sabedoria, respeitando-o, e principalmente amando-o.

Quem ama, cuida!

Boa semana.  

Açái é bom pra pressão alta!

Nada de leite condensado e nem de creme de leite. Guaraná em pó ou em xarope, então, nem pensar! O lance é tomar o açaí puro ou, se for demais pra você, com um pouco de açúcar mascavo. Nada além disso. Pelo menos se a sua intenção for usar a fruta com o intuito de baixar a pressão.

Estudo que acaba de ser publicado no International Journal of Cardiovascular Sciences, da Sociedade Brasileira de Cardiologia, pelo nutricionista mineiro Heitor Oliveira Santos, pesquisador da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), mostra que o açaí nestas condições tem impacto positivo na saúde cardiovascular.

Artérias dilatadas

Segundo o pesquisador, a ingestão de 150 gramas de polpa de açaí é capaz de provocar um aumento de 1,4% na dilatação das artérias, nas horas subsequentes ao seu consumo. A lógica, a grosso modo é, artérias dilatadas, fluxo sanguíneo melhor, pressão melhor.

“Como o efeito é agudo, fácil deduzir que, em matéria de pressão, o consumo ocasional não trará resultado. Nem adianta comer açaí uma vez por semana”, diz o nutricionista. “Melhor seria se virasse lanche entre as principais refeições com certa frequência ou todos os dias”

Calorias a vista…

Você pode estar pensando: Tá bom. Pressão ok! E as calorias a mais deste consumo diário de açaí, em forma de quilinhos extras, faço o que com elas? Calma! Não se desespere. Saiba que uma porção de 150 gramas de açaí puro tem menos que 100 calorias. O problema é que costumamos consumi-lo com uma série de outros ingredientes, principalmente o leite condensado e o creme de leite. Aí, uma bomba calórica é detonada no seu organismo.

Efeitos na TPM

E tem mais, o açaí é excelente para aliviar os efeitos da TPM. Rico em sais minerais, ferro, fósforo e cálcio, ele reduz os transtornos das mulheres durante seu ciclo menstrual, porque ele previne sensações incômodas, inchaços e câimbras.

Protocolo de segurança para treinos externos

O Globo esporte desta semana trouxe uma matéria super interessante com dicas sobre a prática esportiva em ambientes externos durante a pandemia.

As dicas de precaução e cuidados são baseadas nas diretrizes da Associação Internacional de Federações de Atletismo e do Instituto Internacional de Medicina em Corridas, que reuniram médicos e especialistas neste sentido.

O protocolo de segurança foi criado para que os treinos aconteçam da forma mais segura possível, desde que sua prática esteja autorizada pelas autoridades locais.

A orientação começa com um alerta, pessoas do grupo de risco, com sintomas ou acometidas de Covid não saiam para treinar em hipótese alguma.

Veja as dicas:

  • Usar máscaras, porque atleta precisa dar exemplo;
  • Manter obrigatoriamente as determinações de distanciamento social entre as pessoas de no mínimo 1,5m;
  • Levar álcool em gel 70% e material de apoio para eventuais desconfortos e necessidade de higienização. Além de uma máscara extra para caso de dano ou umidade excessiva na primeira;
  • Usar sua própria garrafinha de água;
  • Fazer retorno progressivo;
  • Caso tenha dificuldade de respirar parar imediatamente e procurar um médico;
  • Voltar para casa imediatamente após o treino.

Seja seu maior influenciador

Há exatos 82 dias iniciava o isolamento social na minha casa. Eu deixava de ir ao trabalho para desempenhar minhas funções em home office, as crianças passaram a ter aulas on-line, meu esposo fechou o estabelecimento comercial dele e a nossa diarista deixou de vir.

A princípio tudo era novidade. Nos fortalecemos enquanto família. Criamos rotinas diárias para todos. E vida foi fluindo. Mesmo com tudo ao redor sendo medo e morte, aqui no meu cantinho tudo seguida em paz e segurança.

Os dias foram passando lentamente e eu aproveitei para colocar algumas coisas na casa e na vida em ordem, separei roupas para doar, criei o site da coluna, fiz três cursos de assuntos que me interessavam, comecei a praticar yoga, testei muitas receitas saudáveis e continuei focada na atividade física diária. Até criei um negócio de geleias artesanais, a De Casa (@de_casa_produtos_artesanais).

Tudo bem, por dentro e por fora. Pelo menos era o que eu imaginava. Mas o tempo foi passando e o peso de tudo que estamos vivendo, os mortos ganhando rostos conhecidos ao mesmo tempo que a vida continua a acontecer com seus desafios inerentes, foi ficando mais difícil de carregar. Veio a insônia, a ansiedade. E como elas vieram foram embora também. Passei a viver uma gangorra de emoções.

A última semana tem sido dura, cansativa, pesada, e o corpo cobra o preço por isso. Não sei se é uma gripe querendo chegar trazendo dor na garganta e a vontade de ficar na cama por horas a fio ou se é a mente, com suas doenças psicossomáticas, se manifestando. Tanto faz!

Ainda não sabemos quando e como tudo isso vai terminar, mas uma coisa eu sei, desistir não combina muito com minha natureza, e por isso eu me esforço para sempre estar pronta para lutar. E desta vez não será diferente.

Segundo José Saramago, um grande escritor português, “É preciso sair da ilha para ver a ilha.”. Tenho tentado seguir essa ideia. Sair um pouco de mim e de tudo que me consome para ver as coisas com mais amplitude e compreender de uma vez por todas que vai passar, por mais que demore. E quando passar será tempo de reconstruir muita coisa.

Ser resilientes nos manterá de pé, mas é a antifragilidade que nos fará ir além. E é por isso que, em dias de live infinitas e de influencer digitais, eu escolho ser minha maior influenciadora. E você, o que quer ser?

Boa semana!

Em algumas cidades, as autoridades começam a adotar medidas de relaxamento ao isolamento social. Aqui mesmo no Acre, o governo fala em não prorrogação do Decreto e que a partir de 15 de junho tudo voltará a normalidade.

O novo normal

Mas qual será este novo normal?! Isso ninguém sabe. Se antes o isolamento era importante, nada de novo aconteceu, muito pelo contrário, que o torne desnecessário neste momento.

Ansiedade pós-covid

Uma coisa é certa, o mundo jamais será o mesmo. E as pessoas muito menos. Há quem fale no desenvolvimento de ansiedade pós-covid por muitos de nós.

Depois de meses lavando compras, tomando banho a cada vez que se coloca o pé fora de casa, haverá que crie verdadeira aversão a estar fora da segurança de seu lar. E se o aumento da violência fez com que a sociedade mudasse e que as pessoas evitassem lugares aglomerados, na era pós pandemia isso será ainda mais forte.

Nunca é demais saber

Não sou nutricionista, mas a decisão de aprender e praticar reeducação alimentar, me fez procurar entender um pouco como funcionam os alimentos no organismo humano. Era isso ou ter um cardápio reduzido e extremamente monótono e chato.

Pois bem, ao longo do tempo, com este aprendizado vieram também as perguntas de amigos sobre determinados assuntos ligados a alimentação. Tipo, por que faz mal comer farinha branca? Demerara ou adoçante? Tapioca ou pão? E assim por diante.  

Fui procurando responder as dúvidas dentro do conhecimento que eu tinha, mas sempre alertando que nada melhor que procurar um profissional habilitado para cuidar das questões relativas a alimentação, independente da causa. Se necessidade ou vontade de emagrecer. Se problemas mais graves como diabetes, hipertensão e coisas que podem ser amenizadas com uma alimentação saudável.

Enfim, foi a partir das perguntas ouvidas rotineiramente que percebi que as mesmas são dúvidas de muitos e resolvi compartilhar aqui algumas informações sobre alimentação.

Açúcar, mel ou adoçante?

O açúcar é produzido a partir do melaço de cana. E são quatro tipos, que variam de acordo com o refinamento. Se processarmos o melaço, surge o açúcar mascavo, seguido pelo açúcar demerara, o cristal e, por último, o refinado. Assim, quanto mais processado, menos saudável. O mais saudável deles é o mascavo, pois possui ferro e normalmente não utiliza nenhum composto químico na sua obtenção.

Há ainda outros tipos de açúcar, como o de coco. Muito bom para ser consumido por pessoas saudáveis, pois possui fibras e minerais. Entretanto, adoça menos que o açúcar, mas possui o mesmo índice calórico que o açúcar refinado e o índice glicêmico menor que dos produtos originários da cana.

O mel também é uma boa opção, contendo ação anti-inflamatória. Entretanto, diabéticos e pessoas obesas não devem consumir nenhuma das opções acima. Para estes o ideal é utilizar adoçantes. Uma excelente opção é o stévia, pois não possui calorias e não altera a glicemia.

Adoçantes como o stévia, xilitol, agave e frutose são adoçantes derivados naturais – o stévia de uma planta de mesmo nome, xilitol de fibras vegetais de milho, ameixa ou cogumelo, agave, de um cacto, e frutose, de frutas, em geral.

A sucralose, embora seja derivada da cana-de-açúcar, é considerada artificial, pois passa por um processo químico. Embora a frutose e o agave sejam adoçantes naturais, devem ser usados com moderação por diabéticos, podendo aumentar os níveis glicêmicos.

Propósito um bem coletivo

Abro um parêntese hoje nesta coluna de bem estar para falar de um assunto que a primeira vista nada tem a ver com o tema. Quero falar de uma mulher que fez a diferença na sociedade brasileira enquanto esteve viva e cujo legal continua ultrapassando gerações. Pagu, Patrícia Rehder Galvão, foi a primeira presa política do Brasil. Apesar de ser de família rica dedicou sua vida, boa parte dela por meio do jornalismo, a luta de classe. Sendo a autora do primeiro romance proletário da literatura brasileira, Parque Industrial.

Pagu foi presa mais de 20 vezes durante toda a sua vida por lutar contra o regime e a favor dos mais humildes, uma prova de que o propósito de uma vida deve sempre estar ligado ao bem coletivo e ao bem estar de muitos.

Transtornos alimentares. Importante ficar de olho

Comer é maravilhoso. Os alimentos não apenas servem para manter nosso organismo saudável, mas também são fontes de alegria e prazer. Tem coisa mais gostosa que compartilhar da mesa com quem amamos? As risadas, as conversas, tudo que acontecem em torno da preparação e do consumo dos alimentos faz parte deste momento. Entretanto, algumas vezes, o simples ato de se alimentar se tornar nocivo. É aí que habitam os Transtornos Alimentares. Estes são caracterizados por perturbações no comportamento alimentar, que podem levar a pessoa ao emagrecimento extremo, à obesidade e a partir disso a outros problemas sérios de saúde.

Alguns autores caracterizam os Transtornos Alimentares como síndromes ligadas à cultura de determinadas sociedades. O que evidencia esta hipótese é o fato de que a Anorexia e a Bulimia têm uma prevalência maior entre mulheres jovens de países ocidentais, principalmente as que pertencem às camadas sociais mais privilegiadas. Mas os transtornos alimentares também podem estar ligados a questões emocionais e psicológicas,

São inúmeros os tipos de transtornos alimentares já identificados e o índice deles vem crescendo a cada ano nas sociedades ocidentais, onde o culto ao corpo perfeito também tem crescido.

E por incrível que possa parecer, os transtornos alimentares não dizem respeito apenas a comer de mais ou de menos, há quem ao buscar uma alimentação saudável adquira um transtorno ligado a alimentação.

Hoje, dia 02 de Junho, se tornou o dia de alerta sobre transtornos alimentares. Um dia para refletirmos sobre este assunto e alertarmos a todos, principalmente aos que amamos, da importância de cuidar da alimentação de uma forma saudável. Sem exageros e lembrando sempre: equilíbrio é a chave!

Boa semana!

Tipos de transtornos

Conheça os tipos de transtornos já diagnosticados. E importante sempre ficar de olho para não cair em nenhuma armadilha que te leve a desenvolver um.

Anorexia

Os pacientes começam a restringir o consumo de alimentos que eles consideram muito calóricos e esses cortes ficam cada vez maiores. Ao mesmo tempo, distorcem a própria imagem corporal e continuam a achar que estão gordos.

Bulimia

Ao contrário do que se pensa, os acometidos por ela não são magérrimos. Muitos ficam constantemente acima do peso e se incomodam bastante com esse fato, por isso costumam começar a utilizar de algum método para expurgar as calorias, como indução ao vômito, uso de laxantes e diuréticos. Há quem faça uso de exercícios físicos exagerados como forma de retirar calorias do corpo.

Compulsão alimentar

Ao lado de anorexia e bulimia, a compulsão alimentar faz parte da tríade clássica dos transtornos alimentares. Nela, a questão é o exagero mesmo: a pessoa devora uma quantidade enorme de comida. Alguns chegam a ingerir de 4 mil a 15 mil calorias em poucos minutos — a média recomendada para um adulto saudável são 2 mil calorias por dia. Esses ataques súbitos de gulodice são motivados por dilemas emocionais, como ansiedade e estresse.

Tare

Sigla para transtorno alimentar restritivo evitativo. É o quadro típico de crianças que se recusam a comer um grupo alimentar específico por motivos que vão de aparência e cor a odor, textura, temperatura e paladar. Há quem não experimente nada que seja amarelo, outros fogem de purês e papas, um terceiro grupo evita frutas e verduras, e assim por diante. O problema nestes casos é quando essas preferências alimentares começam a influenciar na saúde do corpo.

Ortorexia

Os indivíduos acometidos deste transtorno têm obsessão por alimentos saudáveis, puros e naturais. A questão não está nas calorias de cada prato, mas, sim, na pureza dos produtos.

O quadro pode gerar grande sofrimento emocional, pois o indivíduo geralmente se recusa a comer algo que não foi preparado por ele mesmo, e também leva a um isolamento social, já que muitos evitam refeições ou confraternizações e festas. Acomete mais mulheres jovens de classes abastadas.

Vigorexia

Não é considerado um transtorno alimentar clássico, mas uma dismorfia corporal. A obsessão está na ideia de um corpo perfeito, com músculos fortes e torneados. Os acometidos por ela, na maioria das vezes, desenvolvem neuras com comida, passando a comer praticamente apenas franco e batata doce. É mais comum em homens jovens que se submetem a uma rotina exaustiva e exagerada de exercícios físicos.

Há ainda um grupo que aposta pesado em anabolizantes e outras substâncias proibidas para alcançar o resultado e como nunca estão satisfeitos, querendo sempre aumentar o tamanho de seus músculos, acabam colocando em risco a vida em busca deste resultado.

Drunkorexia

É o hábito de substituir a comida por bebidas como uma maneira de inibir o apetite e, assim, emagrecer. São de cinco a seis drinques em menos de duas horas. O álcool tem ainda outro papel, de reduzir a ansiedade e o nervosismo. Quem é acometido por essa condição desenvolve outros comportamentos típicos da anorexia ou da bulimia, como a indução de vômitos e o uso compulsivo de medicamentos.

Fatorexia

Diferente da Anorexia, aqui a pessoa acometida deste transtorno não percebe o seu peso ou tamanho e se acha sempre magra, mesmo se estiver obesa. A pessoa persiste em hábitos nocivos à saúde e não vê motivos para procurar apoio profissional.

Pregorexia

O conceito é super recente e abrange qualquer transtorno alimentar que ocorra ao longo dos nove meses de gestação. Pode ser anorexia, bulimia, compulsão alimentar, ortorexia.

A preocupação com o peso durante a gestação leva as pessoas acometidas deste transtorno a fazer uso de meios nocivos para manter-se com o mesmo peso de antes da gravidez. A prática pode gerar muitos problemas como: aborto espontâneo e dificuldades no desenvolvimento do bebê são algumas delas.

Nove Verdades* sobre Transtornos Alimentares

Verdade # 1: Muitas pessoas com transtornos alimentares parecem saudáveis, mas podem estar extremamente doentes.

Verdade # 2: As famílias não são as culpados, e podem ser as melhores aliadas dos pacientes no tratamento.

Verdade # 3: Um diagnóstico de transtorno alimentar é uma crise de saúde que perturba o funcionamento pessoal e familiar.

Verdade # 4: Distúrbios alimentares não são escolhas , mas doenças graves influenciadas biologicamente.

Verdade # 5: Os transtornos alimentares podem afetar pessoas de todas as idades, sexos, raças, etnias, diferentes formas e pesos corporais e status socioeconômico.

Verdade # 6: Distúrbios alimentares são responsáveis por um risco aumentado tanto para o suicídio como para complicações médicas.

Verdade # 7: Genes e ambiente desempenham um papel importante no desenvolvimento de transtornos alimentares.

Verdade # 8: Genes sozinhos não são capazes de prever quem poderia desenvolver distúrbios alimentares.

Verdade # 9: A recuperação total de um transtorno alimentar é possível. Detecção e intervenção precoces são fundamentais.

*Fonte: Sociedade Brasileira de diabetes

Hábitos saudáveis

Uma alimentação saudável não precisa ser sinônimo de dor, sofrimento, restrições e de comidas sem sabor. Muito pelo contrário. Mas isso requer planejamento. É preciso tirar um momento para organizar um plano alimentar semanal.

O primeiro passo após traçar um bom cardápio é fazer a lista de compras. Desta forma você terá a geladeira e a dispensa preparada para que você consiga ter sempre refeições diversificadas e ricas em produtos naturais, fontes de vitaminas, proteínas, carboidratos e sais minerais, e principalmente sem o excesso de produtos industrializados e ultraprocessados.

Até o caroço

A expressão popular que diz: tava tão bom que eu comi até o caroço está valendo. Bem, pelo menos em parte. Inclua frutas e vegetais nas suas refeições e os consuma, sempre que possível com casca e o bagaço. Ricos em vitaminas e fontes de fibras que ajudam a regularizar o intestino. Um prato colorido, que agrada aos olhos, significa uma boa variedade de alimentos e, portanto, de nutrientes.

Capriche na proteína

Dos vários nutrientes obrigatórios numa alimentação equilibrada e saudável, as proteínas devem fazer parte da alimentação diária, devendo contribuir com 15-20% do total de calorias da dieta (dieta = total de alimentos ingeridos ao longo do dia). Constituídas por aminoácidos, têm uma indispensável função plástica, fornecendo a matéria-prima para a formação, manutenção e regeneração de células e tecidos.

Essas proteínas podem vir tanto de origem animal quanto vegetal. A escolha vai depender do estilo de vida que você adotou para si, se adepta do uso de carne ou se vegana.

Se você come carne, na ida ao açougue opte por carnes magras e inclua carnes brancas e peixes no seu cardápio. Elas são fontes de vitaminas essenciais ao nosso organismo.

Uma doença invisível

Uma dor sem causa aparente, um sofrimento que muitas vezes fica escondido por anos atrás de um aparente sorriso de felicidade. A depressão é a doença invisível que faz da vida de quem sofre dela um tormento diário e infindável ao ponto de muitos tirarem a própria vida. Das 850 mil causas de suicídio no mundo, 85% são provenientes da depressão e mesmo assim, a maioria das pessoas que convivem com ela não se matam, o que significa que o número de pessoas acometidas da doença é bem maior.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que 350 milhões de pessoas pelo mundo sofrem de depressão, 18% a mais do que há dez anos. O número representa quase 5% da população do planeta. No caso do Brasil, a OMS estima que 7,5% da população nacional seja afetada pela doença.

Se os números antes da pandemia já eram alarmantes, como será com ela?! 

Surtos de doenças infecciosas podem ter efeitos psicológicos a curto e longo prazo em pacientes e profissionais de saúde. 

Entre 2002 e 2003, outro coronavírus, causador da Sars (síndrome respiratória aguda grave), levou à morte 800 pessoas no mundo, e o pânico causado por ele deixou 42% dos sobreviventes com algum tipo de transtorno mental, como mostrou uma pesquisa publicada na revista East Asian Arch Psychiatry, em 2014. 

Segundo matéria publicada na Uol, coluna Equilíbrio, mais da metade das pessoas teve transtorno de estresse pós-traumático.

Pesquisa feita com a população canadense mostrou que os efeitos psicológicos da Sars apareceram até quatro anos após o surto da doença.

A luz vermelha das autoridades em saúde mental do mundo inteiro está acessa com a pandemia, não apenas pela existência dela em si, mas em virtude das consequências psicológicas da sua existência.

O medo de contrair a doença, a incerteza com o futuro, o afastamento do convívio social com amigos e familiares, a ansiedade e o estresse, tudo isso junto são fatores que podem desencadear o processo depressivo em milhões de pessoas ao mesmo tempo ao redor do planeta.

Por isso é muito importante focar na saúde mental neste momento. 

Procure filtrar as informações que recebe e limite o tempo do seu dia dedicado a este assunto. Informações confiáveis nós ajudam a nos sentirmos mais seguros.

Outra coisa importante, se não dá para ter contato físico é possível dedicar um tempo para falar com amigos e a família pelo telefone, chamada de vídeo ou não, e rir, trocar ideias e aliviar o peso destes dias.

Coisas assim, não mudam a realidade da existência do Covid 19, mas ajudam bastante a passar por esse tempo de forma menos estressante. 

Tenha sonhos e projetos 

Pensar num amanhã possível e sonhar com ele, nos ajuda a nos manter saudáveis emocionalmente. Por isso é importante que você tente planejar algo que fará num futuro próximo. Não estipule data para que, caso ela não se concretize em virtude do vírus, você não se fruste ainda mais. Mas sonhe e planeje a realização do mesmo. 

Por quê a depressão é tão forte mesmo sem covid?

Vivemos um mundo cada vez mais exigente, onde precisamos vencer e estar dentro dos padrões estabelecidos. A dificuldade em atender as expectativas e o grau de exigência a que somos submetidos são as principais causas do problema. Crescemos aprendendo a sonhar alto, a nos tornarmos vencedores, pessoas de sucesso e amadas. E quanto isso não segue o padrão imposto surge a frustração que aliada a predisposições, traço de personalidade ou talvez uma herança genética… bum, estoura!

Ter sucesso

Mas o que é ter sucesso?  Nem sempre ter uma conta bancária recheada, um emprego dos sonhos, um corpo perfeito é sinônimo de sucesso. Por trás de uma aparente vida de facilidades, pode existir outras frustrações que fazem tão mal quanto estar desempregado, sem um tostão no banco ou acima do peso. Precisamos entender que sucesso fala muito mais de se estar satisfeito com a vida que se leva do que com qualquer outra coisa. Darwin, pai da evolução já disse, quem sobrevive não é o mais forte, mas o mais adaptável. Aquela pessoa que consegue passar pelos problemas sabendo que tudo na vida é passageiro e não há mal que sempre dure e nem felicidade que seja eterna.

Nunca essa verdade foi tão real quanto nestes tempos de pandemia, onde o dinheiro, o status ou o poder não fazem tanta diferença na sobrevivência do indivíduo.

Sem preconceitos

Mas uma coisa é preciso ficar bem clara, depressão é uma doença e como qualquer doença deve ser tratada por um profissional habilitado. Infelizmente, a depressão como outras doenças que tenha algum viés psicológico acabam sendo deixadas de lado pelos pacientes e pelas pessoas que convivem com eles. O preconceito faz com que não se procure um médico. Apenas 10% das pessoas acometidas de depressão procuram ajuda e mesmo assim, a maioria espera pelo menos seis meses para isso. Te pergunto, se você quebrasse a perna esperaria seis meses para ir ao médico? Ou se tivesse tendo algum tipo de dor no peito? Com tantas informações, não podemos continuar sendo agindo como seres do tempo das cavernas, né?!

O Covid e a atividade física

O professor doutor, Rodrigo Silveira, da Ufac está realizando um pesquisa pra lá de interessante. Ele quer saber a importância da atividade física no pré e pós pandemia. Pra participar basta responder a um questionário rápido. O link é este:  https://forms.gle/aMbJUMbriH1fHsim9

Participe! Eu já respondi o meu. Responda também e ajude a ciência. 

Veja o que rolou no final de semana

Na Sexta teve live com a nutricionista e chef Alline Feltrin, uma parceria com o Armazém Vida Leve. Uma receita de panqueca funcional foi a tônica.

A live vai acontecer todas as sexta e na desta semana vai rolar uma receita doce. Quem participa ainda concorre a brindes. A live acontece nos perfis @armazem.vidaleve e @nutriallinefeltrim

Liberdade pra dentro da cabeça

Trabalho do artistas plástico israelenses Yuval Majler

Acordei um dia destes da semana que passou de sobressalto. A preocupação com o invisível que nos ronda tem feito isto comigo com mais frequência do que eu gostaria.  E não foi diferente aquela noite.

Não sei vocês, mas eu tenho tentado levar uma vida o mais normal possível e dentro das limitações que temos acho que tenho até conseguido me sair bem. 

Entretanto, mesmo assim tem dias que a coisa pega e o peso do mundo parece cair sobre meus ombros, deixando o ar como que rarefeito. Respirar ganha uma outra proporção e algo tão natural e instintivo passa a ser tão dificultoso. 

Pois bem, é nestes momento que, assim como na madrugada que relatei no início deste texto, lembro do trecho da música do Natiruts: 🎶Liberdade pra dentro da cabeça… Melhor ainda, lembro da forma errada com que eu invariavelmente sempre a canto, “liberdade tá dentro da cabeça.” 

Sabe por quê? Porque essa é verdade. A liberdade sempre está mais dentro do que fora de nós.

Se não fosse assim não teríamos  tantas pessoas livre de cadeias físicas, mas presas em cadeias da alma.

Certa vez li um texto do escritor Mia Couto entitulado “A armadilha da realidade”, no qual ele relatou parte da história do revolucionário e estadista vietnamita Ho Chi Minh, que foi preso por lutar pela autonomia do Vietnã e que na prisão escreveu um livro de poemas.

Segundo Mia, quando Ho Chi Minh saiu e lhe perguntaram como conseguiu escrever versos tão cheios de ternura numa prisão tão desumana ele respondeu: “Eu desvalorizei as paredes.” Ou seja, ele viu além daqueles muros frios, além daquele tempo que parecia infinito.

Ho Chi Minh era um preso no mundo físico, mas livre em sua alma. E é assim que devemos tentar ser.

A realidade é uma armadilha. Elas pode nos mostrar que tudo está perdido, mas na verdade a única coisa que pode fazer tudo se perder de vez, além da morte, é a incapacidade de ter esperança no futuro, de entender que sempre haverá um amanhã e que nenhum mal é infinito, não importa o tempo que ele dure.

Então fique bem, tudo vai passar.

Boa semana! 

Ho Chi Minh

Atendendo a pedidos

Fiz uma pergunta no instagram sobre um tema que as pessoas gostariam de ver na coluna e foram vários pedidos para falar sobre o sono. Pelo visto não sou só eu que o ando perdendo nas madrugadas.

Pois bem, falei um dia destes sobre esse assunto, já nesta época de pandemia e isolamento social, mas sendo tanto os pedidos resolvi abordar novamente o assunto. Então, vamos lá!

63% dormem mal

De acordo com o Instituto do Sono, 63% dos brasileiros reclama sobre dormir mal. E isto antes da pandemia. Ou seja, seis a cada 10 apresentam dificuldades na hora de dormir.

Ocorre que ter uma boa noite de sono é imprescindível, pois dormir mal impacta na nossa saúde física e mental.

Dormir bem faz bem

Mais do que nunca é preciso estimular a qualidade do sono para evitar estresse e ansiedade.

Uma das formas de resolver este problema está na mudança de hábitos não saudáveis, como o consumo de alguns alimentos e e atitudes que acabam mantendo o cérebro ativo quando deveria estar descansando.

Confira as dicas de especialistas:

  • Defina um horário para dormir. Ter uma rotina faz com que o corpo entenda quando deve estar ativo.
  • Não consuma alimentos estimulantes, como café, chimarrão e chá preto, principalmente após o meio da tarde em diante
  • Evite usar computador e celular cerca de duas horas antes de dormir
  • Diminua ao máximo a iluminação do quarto. Em caso de leds de aparelhos de internet e TV a cabo, televisão e demais aparelhos eletrônicos, cubra-os com uma toalha. A diminuição da luminosidade faz com que o cérebro produza o hormônio que mostra ao corpo que é momento de descansar, a melatonina.

A atividade física e o sono

Uma das coisas boas que a atividade física proporciona é a melhoria da qualidade do sono. É normal ouvir de pessoas que costumam ter problemas para dormir que com o desenvolvimento do hábito de praticar atividade física de forma regular o sono ganhou outra dinâmica. 

Por isso, mais do que nunca é preciso reservar pelo menos 30 minutos na sua rotina diária para se mexer. Dentro se casa é possível fazer várias atividades físicas e a internet está aí com vários treinos bons de educadores físicos para provar isso e dar uma ajudinha a quem não tem ideia de como fazer isso. 

Intestino preso? Nunca nem vi!

E não é só o sono que melhora com a prática da atividade física. O funcionamento do intestino também ganha um outro patamar com ela.

Estudos mostram que a prática diária de atividades auxilia de forma significativa este aspecto do nosso corpo. Mais uma razão pra você focar na atividade.

Falando em intestino

Você sabia que o intestino é considerado nosso segundo cérebro? Tudo porque ele possui mais de meio bilhão de neurônios e 30 neurotransmissores, desta forma ele produz 50% da nossa dopamina e 90% da serotonina. Isso mesmo. Ah, você não faz ideia do que é isso?! Deixa eu te explicar, dopamina e serotonina são neurotransmissores, mensageiros químicos que atuam no sistema nervoso central, que além de outras coisas regulam parte de nossas emoções, como o humor, o prazer, a atenção, etc.

Interessante, nè?! Pois é, o cérebro de baixo (intestino) influência o cérebro de cima, afetando nosso comportamento. Por isso é tão importante ter uma boa alimentação para ter vida saudável não apenas no corpo, mas também nas emoções. O que nesta época de quarentena precisamos tanto cuidar, né?! 

Cuide-se: você é prioridade!

Em qualquer fase da vida, em qualquer tempo, bons relacionamentos protegem nossa saúde mental e promovem o nosso bem-estar. Mas, infelizmente, com o isolamento social está um pouco mais difícil a interação com todos que nos fazem bem, nos dão o apoio necessário, e nos dão a sensação de proteção, pelo menos no modelo que conhecíamos antes, o presencial. 

Isso nos atinge em cheio, já que pessoas que estão mais conectadas socialmente são mais felizes, fisicamente mais saudáveis e vivem mais.

Diante desta nova realidade é mais do que nunca necessário avaliar o relacionamento que mantemos conosco, pois ele é crucial para termos uma boa saúde mental neste período de isolamento, como em qualquer outra época.

Ser gentil conosco regularmente é uma das melhores coisas que podemos fazer por nós neste momento.

Cuidar de nós é muito importante. Somos prioridade. Por isso, gaste tempo consigo e invista de 15 a 30 minutos todos os dias fazendo algo que goste e te anime.

Se seu “crítico interno” ou outra pessoa apontar suas “falhas” tente analisar a verdade da situação, sem julgamentos apenas observando os fatos reais. E se perceber que falhou,  tropeçou ou quando sentir que fracassou, não se machuque. Aja como se você fosse seu próprio melhor amigo: seja gentil e solidário (as vezes temos a estranha mania de ser duros conosco e gentis com os outros).

E no fim do dia, faça algo pra relaxar. Ouça uma música, veja o pôr do sol, ligue para um amigo, faça atividade física, se embale numa rede ou beba uma taça de vinho, ou seja, não importa o que faça, mas faça algo.  E agradeça pelo dia vencido. 

Boa semana! 

Lá vem o sol

Com o isolamento social, o que antes evitávamos, tomar sol, ganhou atenção inversa. Hoje o alerta é para que todos peguem sol pelo menos 3 vezes na semana, por no mínimo15 minutos, entre 11h e 13h, quando a incidência dos raios é maior.

É que a falta da luz solar por períodos prolongados pode afetar nossa saúde física e mental. É com a ajuda do sol que nosso corpo produz vitamina D. Importantíssima pro nosso sistema autoimune. 

Além disso, a vitamina D auxilia na absorção de cálcio e tem um papel importante no equilíbrio do açúcar no sangue.


Importância da Vitamina D

A falta da vitamina D está relacionada ao risco de problemas cardíacos, osteoporose, alguns tipos de câncer, doenças autoimunes como esclerose múltipla e diabetes, gripes e resfriados. Segundo matéria publicada na revista Boa Forma, a falta dela está associada também a um aumento de até 75% no risco de depressão em pessoas com idade acima de 50 anos, de acordo com um estudo realizado na Irlanda e publicado no Journal of Post-Acute e Long-Term Care Medicine, em 2018.

A vitamina D X Covid

Como a vitamina D é uma grande aliada do Sistema imunológico, responsável pela defesa dos nosso organismo, ela é imprescindível no combate ao Covid 19. 

Entretanto, apenas 10% dela pode ser adquirida via alimentação, o restante é produzida com a luz solar ou o consumo de suplementos, sendo que este último traz um perigo eminente. O consumo além do necessário ao corpo, pode trazer sérios riscos a saúde do nosso organismo.

Abra as janelas

Deixe o sol entrar pelas janelas de sua casa ou apartamento, se elas forem de vidro é preciso abri-los também, pois o vidro bloqueia os raios UVB necessários pra ativar a vitamina. 

Se você tem quintal ou sacada, que tal colocar uma cadeira e aproveitar esses minutos para colocar a cara no sol. 

Gestão do tempo

Você já reparou que quando deixamos as tarefas se avolumarem ficamos angustiados e com a sensação de urgência, o que acaba nos deixando irritados?

Por isso fazer a gestão correta do nosso tempo melhora nossa produtividade. Pois, tira de sobre nossos ombros a pressão normal que a urgência causa, aliviando a tensão e, consequentemente, o estresse e os níveis de cortisol.

Gestão do tempo II

A gestão do tempo nada mais é que administrar nosso tempo de modo a ter uma vida organizada, facilitando assim a execução das tarefas que nos propomos e possibilitando que tenhamos tempo suficiente para viver de forma plena todas as áreas de nossas vidas, sem que uma seja renegada em função de outra. 

Segundo Crhistian Barbosa, autor do livro Tríade do tempo, dividimos nosso tempo em realizar três tipos de ações: as importantes, as urgentes (aquelas que não foram feitas no tempo correto) e as circunstâncias. Sendo que estas últimas são aquelas que não gostamos de fazer e se não fizermos não irão gerar problemas significativos em nossas vidas. São ações que outras pessoas podem fazer por nós. 

Gestão do tempo III

O problema é que a má administração do nosso tempo acaba fazendo com que quase tudo se torne urgente. Precisamos gastar mais tempo com o que é importante, menos com as urgentes e quase nenhum tempo com as tarefas circunstâncias. 

Para isso é necessário organização e planejamento. E nada de planejamento diário. Você organizar sua vida pelo menos de três em três dias. E o mais importante, cumprir o que você definir nela. 

Gerando hábitos saudáveis 

Uma alimentação saudável não precisa ser sinônimo de restrição e sofrimento. Mas para isso, é preciso tomar alguns cuidados e desta forma iniciar o processo de geração de hábitos saudáveis. 

O primeiro passo é organizar um plano alimentar semanal.

Fazer uma lista de compras, para conseguir ter sempre refeições diversificadas e ricas em produtos naturais.

Na lista não pode faltar alimentos naturais. Evite o excesso de produtos industrializados e principalmente aqueles ultraprocessados.

Inclua frutas e verduras em seu dia a dia e, qdo possível, os consuma com casca e bagaço para aproveitar melhor todos as vitaminas e propriedades das mesmas.

Procurar optar por carnes magras, sem gordura aparente e preferencialmente cozidas. 

Um prato colorido, que agrada aos olhos, significa uma boa variedade de alimentos e, portanto, de nutrientes. Essas sugestões já garantem um bom começo e a saúde agradece.

Comer faz bem, mas…

Sabe como é, a comida vive a nos rodear durante todo o dia e isso complica e muito a nossa vida porque quanto mais opções de escolha, mais difícil manter o foco. Para a maioria de nós, pobres mortais, o nervosismo dá fome, a tristeza da fome, a alegria então, nem se fala. Semana passada descobri umas dicas bem interessantes para evitar fugir da dieta e compartilho com vocês aqui:

• Nunca deixe faltar alimentos saudáveis em casa. A principal das dicas;

• Invista em refeições ricas em proteína que dá a sensação de saciedade;

• Coma alimentos ricos em fibras. Eles ajudam a produzir hormônios que também auxiliam nesta sensação de saciedade;

• Prefira alimentos sólidos. Eles demoram mais a ser mastigados, o que ajuda o seu cérebro a entender que você já se alimentou;

• Tenha atenção plena quando estiver se alimentando. Nada de celular. Seu cérebro precisa compreender que você já se alimentou;

• Pense antes de comer, ou seja, não coloque no prato e na boca qualquer coisa só porque é algo sedutor;

• Coma em pratos menores. Sabe aquela história de olho maior que a barriga que nossa mãe falava. Então…

No mais, faça exercícios, evite o estresse (coisa bem difícil em tempo de pandemia) e durma bem. Isto também ajuda a você evitar a compulsão por comida.

Boa semana!

Yoga fácil e gratuíta

A professora de yoga, Pricila Leite, precursora no fato de dar aulas de yoga de forma gratuita, preparou um programa super legal para quem quer iniciar a prática. São 21 aulas, para 21 dias, com exercícios de fácil execução e de curta duração. Vale conferir no endereço https://m.youtube.com/watch?v=rz8jzSE6tEM&list=PLnXTMjA8X5ld5VtjD_Jqr2GQdZa4h9itx&index=7

Entre em Flow

Você sabe oq é estado de flow? Segundo Mihaly Csikszentmihalyi, que criou este conceito, é a capacidade de nós imergirmos completamente no momento presente. Com o distanciamento social, uma das maiores dificuldades dos profissionais está em se concentrar no que precisa ser feito. E trabalhar em home office, ou seja, em trabalho remoto exige, entre outras coisas, foco.

Mas como alcançar o Estado de Flow quando há filhos correndo pela casa, cachorro latindo ou outras situações que tiram nossa atenção? Olha as dicas da Mihaly pra nós:

  1. Pense no trabalho como um jogo que é concluído somente quando a meta é concluída;
  2. Faça uma coisa de cada vez. Isso exige que você tenha organização e defina as prioridades;
  3. Autocrítica só se for na medida certa. Se ela lhe paralisa, paralise ela antes e foque em cumprir a demanda; 
  4. Tente cumprir o máximo das tarefas que se propôs cumprir no dia; 
  5. Faça o que ama. Isso é importante para desempenhar bem o que você se propõe. Se este não é o caso agora, se organize para que seja no futuro;
  6. Não trabalhe apenas com intuito de cumprir o ordenado, o resultado final, mas busque seu crescimento pessoal e profissional no dia a dia;
  7. Deixe de lado a procrastinação;
  8. Não realize uma tarefa já pensando na próxima. Viva cada processo e siga o fluxo.

Hidrate-se

Que a água é elemento vital por nosso organismo você sabe, pois nós, seres humanos, podemos passar dias sem comer, mas sem beber água é impossível, nós morreremos se isso acontecer. Somos feito de água e precisamos dela pra viver. 

A água ajuda no emagrecimento, na saúde e na manutenção da juventude. Se é um litro, dois litros, três litros, isso depende. Agora o mínimo que você precisa consumir é o seu peso vezes 0,035ml. Faça a conta e insira este hábito maravilho em sua rotina. Ah, um lembrete: água é água, não é suco, não é chá, não refrigerante ou qualquer outra coisa líquida. Água é água e só. Boa e de certa forma barata.

A primeira hora

Muitos de nós temos a mania de ao acordar pegarmos, antes de qualquer coisa, o celular e conferir como anda o mundo exterior. Infelizmente, a prática é nociva e pode influenciar todo o nosso dia.

Segundo a ciência, ao acordarmos o nosso cérebro está mais propenso a criatividade e ao aprendizado, por isso ter hábitos saudáveis na primeira hora do nosso dia ajuda nos a se sentir melhor durante as horas restantes dele. Portanto, se conectar com nosso eu interior, meditar, orar, ouvir música, fazer atividade física ou fazer qualquer outra coisa que cause sensação de bem-estar é muito importante. Deixe o celular par um segundo momento. Sua saúde menta agradece! 

Aconteceu no final de semana

Live indoor

A Acrerunning, juntamente com assessorias e grupos de corrida, realizaram no domingo a Live indoor. E em que consistia isso, você pode estar se perguntando. Pois bem, a live indoor foi a forma utilizada para que corredores acreanos pudessem ajudar com doações os profissionais que trabalham com corrida de rua e que neste momento estão se desenvolver suas atividades. 

No evento, duas esteiras foram disponibilizadas, com horários pré agendados, para que corredores contassem suas histórias com a corrida enquanto corriam na esteira. Tudo bem dinâmico e seguro. Ao final, os participantes recebiam medalhas do evento.

Paralisados no caos

Todo caos desperta em nós o instinto de sobrevivência. Esta é uma reação natural do ser humano desde os primórdios. Uma forma que o corpo encontrou para nos deixar em estado de alerta e desta forma nos preparar para o perigo eminente. 

Ao menor sinal que este perigo se aproxima nosso cérebro emite ordens para os nossos sistemas e uma verdadeira estratégia de guerra é desencadeada no nosso organismo. 

Entretanto, as reações não são as mesmas para todos.

Há quem reaja prontamente e se coloque em posição de luta, tomando decisões, calculando riscos, minimizando perdas. Mas há aqueles que ficam paralisados, se escondendo para sobreviver. Agem como se fechando os olhos ao problema, ele fosse capaz de simplesmente desaparecer. 

Infelizmente, fugir não é a melhor solução, apesar de parecer a princípio a mais segura.

Os problemas continuam existindo e podem até se tornarem maiores com a procrastinação.

É como tempo das cavernas, fugir do predador não saindo pra caçar poderia até lhe fazer viver mais um dia, porém você morreria de fome logo, logo. 

Estamos vivenciando o caos e para enfrentá-lo com garra precisamos ter muito claro em nossa mente qual o motivo que nos leva a lutar todos os dias. O por que levantamos e matamos nossos leões. 

Sem a claridade do real motivo, seja seus pais, seus filhos ou seu sonhos, é mais fácil se esconder e ficar paralisado diante dos problemas que estamos enfrentando. 

Então eu te pergunto: o que te move? 

Mexa-se! 


3, 2 … zzzzzz

Não sei vocês, mas tenho sentido certa dificuldade de desconectar a noite e conseguir dormir um sono de fato reparador. Tenho a sensação que meu cérebro não desliga e o sono fica “perturbado”. O resultado disso é irritabilidade e falta de concentração durante o dia.

Segundo os estudiosos, o motivo disso acontecer, de não conseguirmos desconectar, é a ansiedade, muito em alta nos últimos dias, pelas razões que todos nós sabemos bem.

Infelizmente, não há uma solução mágica que resolva o problema e muito menos a causa dele, mas há algumas atitudes que podem ajudar a resolver o problema.

Vamos lá

  1. distraia-se: Pense em qualquer outra coisa exceto naquilo que está preocupando você. Uma dica é horas antes do horário de dormir você focar em coisas relaxantes.
  2. Fique acordado: isso mesmo. A ansiedade provocada pela vontade de querer dormir e não conseguir atrapalha. Se você decidir ficar acordada acaba sendo mais fácil ter sono, segundo os especialistas.
  3. Pegue sol: seu corpo precisa ajustar o relógio biológico. Se você dorme de dia ou fica deitado cochilando, a noite seu corpo não vai conseguir entender que o momento é para dormir. 
  4. Respire fundo: técnica de relaxamento são excelentes para acalmar o cérebro e trazer o sono. Passe mais tempo inspirando que expirando. 

Atenção as costas

Poucos mais de 30 dias se passaram desde que muitos de nós mudaram os escritórios para dentro de casa. 

Sem planejamento, o jeito para a maioria foi adaptar a rotina com o que tinha a disposição.

Desta forma o notebook foi colocado na mesa do jantar ou foi a cama que virou mesa. E o resultado é que, sem a ergonomia correta, as costas, ombros, braços e demais articulação começam a cobrar o preço. Algumas dores surgiram onde nem imaginávamos.

Agora que você já está mais adaptado a nova rotina de trabalhar em casa, que tal observar o seu local de trabalho e mudar o que for possível para que você tenha mais conforto?

Reveja seu espaço 

Algumas horas na posição errada já são suficientes para o surgimento de problemas que causam incômodos e afetam a produtividade.

Então nada de sofá, cama ou banquinho. Procure apoiar seu notebook ou computador numa mesa. 

Sente em uma cadeira com encosto e apoie sua lombar. Se você sentir que precisa, pode colocar uma toalha na região para melhorar a sustentação.

Lembre-se, também, de formar ângulos de 90º com os joelho e o quadril. 

Se você é uma pessoa de baixa estatura e não consegue alcançar os pés no chão, improvise um degrau com livros para apoiá-los completamente. Os braços também precisam estar em um ângulo de 90°, por isso opte por cadeiras com braços. Se não tiver tente ficar com os antebraços sobre a mesa. E não menos importante: dê pausas e alongue-se. 

Fitness nem sempre é bom

O cuidado com a saúde nunca esteve tão em voga como nos últimos anos. Cada vez mais, o consumidor procura incorporar produtos saudáveis a sua dieta. O problema é quem nem sempre o rótulo corresponde a verdade.

Nas prateleiras dos supermercados e de lojas especializadas podemos encontrar centenas de opções “fitness”, como geralmente são chamados. 

O que você não sabe é que o fato deles serem assim classificados não significa que eles fazem bem à saúde como você imagina. 

Alimentos com baixa gordura em sua composição, por exemplo, podem ser ricos em sódio ou em açucares. 

A indústria alimentícia trabalha pra lhe seduzir e neste jogo, ela acaba escondendo alguns detalhes importantes dela pra você. 

Por isso quando você for as compras, leia os rótulos. 

E opte sempre por comida de verdade. Além de mais baratas são verdadeiramente mais saudáveis.

Boa semana! 

Um dia de cada vez

Até bem pouco tempo, ao acordarmos, tínhamos a falsa certeza de que estávamos no controle das coisas e isso nos dava esperança para continuar nos levantando da cama todos os dias.

Planejávamos com a convicção da realização certa. Dietas, viagens, compras, festas…

E então tudo mudou! 

Hoje a certeza não existe mais e muitos de nós tem perdido o rumo das coisas por conta disso, desanimados frente ao futuro imprevisto.

Mas o que não nos atentamos é que o futuro nunca foi certo. E a única diferença é que isso hoje é mais perceptível.

Todos os dias, quando acordávamos não era certo que viveríamos até o fim dele, que tudo seria igual ao planejado. Por que o futuro é futuro. Ele é apenas uma perspectiva de realização, jamais uma realidade concreta.

A única realidade é o momento presente. O segundo em que estamos, ou melhor, o milésimo de segundo em que estamos. O que passar disso não é.

Então, porque nos preocuparmos tanto? 

A resposta, dentre outras, é porque o caos nos paralisa. Ativa nossos instinto de sobrevivência e nos deixa em estado de alerta.

Precisamos blindar nossa mente da negatividade. Trazendo a memória a única verdade existente: que o futuro é imprevisto, mas que nos cabe construí-lo hoje. 

Se queremos um precisamos nos manter conscientes das nossas limitações humanas, entretanto, esperançosos da nossa capacidade de vencer adversidades. Enquanto há vida há esperança é esta é a maior certeza e única da nossa existência. 

Vista-se esta semana de positividade, agarre seus sonhos e projetos e reorganize-se, não fique de braços cruzados esperando tudo desmoronar. 

A procrastinação, em alguns aspectos, pode fazer mais mal que o covid, já que o tempo dele vai passar e o resultado daquela não. 

Boa semana!

Em pânico


A psicologia humanista acredita que temos três estados de ego: o pai, o adulto e a criança. O primeiro se manifesta quando agimos como as figuras de autoridade existentes na nossa infância e nos pegamos repetindo conceitos e verdade aprendidas. O segundo é o nosso lado mais racional, que analisa, não nos deixando tomar decisões com bases em emoções. E o terceito é dominado por desejos, impulsos, sonhos, entusiasmo, etc. Aqui se manifesta nossos medos e anseios.

Nossos egos definem nossa postura diante do mundo. 

Em tempos de incertezas, como o que estamos vivendo, onde nem nosso ego pai, nem nosso ego adulto tem respostas para a situação, nosso ego crianças certamente está em pânico.  

E por isso, nos sentimos amedrontados. 

Uma das formas de ajudar a acalmar suas emoções e explicar pra sua criança interior tudo que está acontecendo. Parece loucura, mas funciona.

Diga a ela, que tudo vai se normalizar, que vocês irão vencer mais esta, e que juntos irão reorganizar a vida. 

Violões do sistema imunológico

Se tem algo que anda em alta na nossa vida nos últimos dias é o estresse. 

Mesmo com a vida menos “corrida”, as preocupações do dia a dia, as incertezas, tem feito com que a maioria de nós tenha vivido sob tensão. E o resultado disso é o aumento do cortisol (hormônio do estresse) no nosso organismo.

Resultado, a constância deste processo de estresse gera a baixa do nosso sistema imunológico. Importante mais que nunca na nossa vida.

Que tal então evitar os violões do sistema que podemos controlar, já que o estresse é um pouco mais difícil?! 

A primeira coisa é reduzir o consumo de açúcar. Ele é um dos principais responsáveis pela baixa imunidade, seguido pelas farinhas brancas. O açúcar é encontrado em muitos alimentos e causa dependência, portanto, não é tão fácil abandoná-lo, mas necessário. 

Como fazer?

Para reduzir o açúcar, comece retirando os refrigerantes da sua vida. Este é o primeiro passo. Substitua-os por água com limão, sucos naturais.

Ao invés de doces, coma frutas de sobremesa nas refeições e evite alimentos processados. Eles contêm, em sua maioria, açucares na sua fórmula.

Reeduque seu paladar, diminuindo a quantidade de açúcar no cafezinho gradativamente.

Com relação as farinhas brancas, sempre que possível, substitua por farinhas integrais, por possuírem mais fibras, elas demoram mais a fazer a digestão e evitam os picos de insulina no organismo.

A prática de atividades físicas também é importantíssimo para manter um bom funcionamento do seu sistema imunológico.

Alongue-se

Em casa nem sempre é possível manter a rotina de treinos, por conta de espaço ou falta de equipamentos e até mesmo desmotivação, mas que tal começar a praticar alongamentos.

Com exercícios simples e rápidos de fazer, observando suas limitações, é possível fortalecer o corpo e relaxa-lo ao mesmo tempo.

De 10 a 15 minutos de exercício,   em seis a 12 repetições e uma a três séries, são suficientes para uma boa prática de alongamento em casa.

Importante fazer os exercícios devagar e observando a sua respiração. 

Não existe nenhum estudo que indique uma sequência correta ou eficaz. Deve-se estabelecer uma ordem apenas para não haver esquecimento de algum músculo ou articulação, se não existir nenhuma patologia que contraindique a sua realização. Por exemplo:

1. Cervical;

2. Ombros;

3. Braços/antebraços;

4. Tronco;

5. Anca;

6. Joelhos;

7. Tornozelos.

Se você nunca se alongou ou não sabe como fazê-lo. No youtube existem vários videos de alongamento, que vão exercícios para principiantes, intermediários ou avançados.

“🎶Tristeza por favor vá embora…”

A maioria de nós vai para quase trinta dias em isolamento social. E por mais que alguns, como eu, adorem estar em casa, o peso da obrigatoriedade de se manter distante do restante da família e dos amigos, aliados a impossibilidade de seguir uma rotina externa e dos temores do que o futuro nos reserva, começam a pesar.

Não sei vocês, mas no meu caso o domingo de Páscoa foi um misto de melancolia e gratidão. Principalmente quando um padre passou na rua em que moro abençoando as famílias, cai no choro, e nem católica eu sou. Achei a coisa mais linda aquele ato de levar conforto e paz as famílias. 

Pois bem, a tristeza que muitos de nós começa a sentir é normal e aceitável. 

Tudo bem não estar bem. Mas fique atento para que esse sentimento não avance para algo mais grave.

Se permita chorar, ficar melancólico, os tempos são difíceis. Isso não é sinal de fragilidade, pelo contrário, é sinal da sua humanidade.

O problema é quando você deixa de querer fazer as coisas que gosta por que a tristeza se tornou imensa. É aí que mora o perigo e é quando você precisa buscar ajuda.

Então, se você não quer mais levantar da cama, tomar banho, cuidar da higiene pessoal, ou simplesmente, muda os hábitos que possui, como malhar, estudar, trabalhar, cantar, dançar, por conta do seu estado de espírito, corra. Um terapeuta é essencial neste processo. A rede social tá repleta de bons profissionais oferecendo seus serviços on-line. Procure, pesquise, mexa-se em direção a sua cura. 

Isso vai passar e precisamos sair com o mínimo de sequelas possíveis.

Fiquem todos bem!

Boa semana!

Tecnologia e saúde

As redes sociais e a tecnologia podem ser excelentes aliadas neste processo de manter o ânimo em alta.

Se você tem mais de 40, você deve ter assistido os desenhos da família Jackson. Habitantes do futuro, eles falavam com as pessoas por telefone ao mesmo tempo que podiam vê-las. 

Então, que tal fazer uma vídeo chamada em grupo e falar com todo o restante da família ao mesmo tempo ou com os amigos?!

É super simples, basta que todos tenham WhatsApp. Basta seguir os passos:

1º abra seu WhatsApp e click no símbolo do telefone, como se vc fosse ligar para alguém. Vai abrir a tela de seus contatos. Na parte de cima, no canto direito da tela a sua frente, aparecerá o símbolo do telefone com um mais. Click nele.

2º vai abrir uma tela com seus contatos novamente, mas na parte de cima, a opção Nova ligação em grupo. Click nela.

3º Escolha nos seus contatos quem irá participar. São no máximo quatro contatos por ligação, incluindo você.

Não se boicote

Infelizmente, algumas vezes nos auto boicotamos. Arranjamos desculpas para nos convencer que não avançamos em alguma direção por responsabilidade de outros ou de algo e não por nossa causa ou decisão.

Então, preste atenção nas histórias que anda se contando. 

Deixar de dar desculpas para nós mesmos é o primeiro passo para evoluir enquanto seres humanos e para alcançar nossos objetivos. 

A zona de conforto e deliciosa e por isso queremos permanecer no modo automático e é aí que entra nossas desculpas. Há quem tenha um repertório infinito. Falta de tempo, não sei, não consigo, ninguém me ama, não tenho condições, vai demorar muito… enfim, tome as rédeas da sua vida e avance até o futuro que você deseja. Uma passo de cada vez, mas com constância. Vai doer, vai demorar, não será fácil, mas é delicioso perceber o quão longe é possível chegar e o quanto somos capazes. 

Com que roupa eu vou?

Dia destes, eu estava num dos meus grupos de amigas do WhatsApp e surgiu o assunto vestimentas na quarentena. Alguém comentou que estava abusando dos shorts e camisetas outra das roupas leves e dos pés descalços. Teve quem assumiu passar o dia de camisola e assim por diante.

Isso me fez pensar nos cuidados diários que normalmente costumamos ter. Será que estão sendo mantidos?! 

Sumiu, tomou doril…

Não há neste momento “obrigatoriedade social” de manter os cabelos escovados, as unhas pintadas e lixadas, a maquiagem em dia. 

Nem temos salões abertos, salvo atendimento a domicílio ou exclusivamente com hora marcada e apenas uma pessoa por vez, para quem deseje muito ficar alinhada nestes tempos de corona vírus. O que não é de jeito nenhum meu caso.

Até um meme surgiu pela rede, onde afirmava que 90% das loiras iriam sumir com a quarentena. Outro mostrava que a nova tendência era as raízes dos cabelos brancas.

Há necessidade disso?

Tudo bem que nem todo mundo está se sentindo seguro para cuidar dos cabelos, das unhas ou da pele fora de casa. 

Nem todos nós lidamos da mesma forma e com q mesma tranquilidade com o momento atual. Entretanto, os cuidados essenciais devem permanecer.

Tire um tempo durante o dia para sua rotina de beleza. Cuide da sua pele, passe filtro solar, a luz branca e a do sol continuam existindo mesmo com o corona vírus. 

Aproveite um dia na semana para cuidar das unhas, dos cabelos, do seu corpo, a internet está cheia de receitas simples de massagens, esfoliações com produtos caseiros. Só não pode aquelas receitas loucas, cheias de produtos químicos, que podem, ao invés de ajudar, detonar sua beleza. 

Menos lixo

Não sei na casa de vocês, mas esta semana, quando colocava meu lixo lá fora, percebi que na minha houve uma redução da quantidade de lixo gerado pela minha família em relação a períodos antes da quarentena. 

Estranho não é?! O lógico seria ter acontecido o inverso, mas tempo em casa, mais lixo produzido.

Sabe por que não é isso que acontece? A quarentena reduziu o consumo. E, principalmente, de produtos industrializados. Estamos descascando mais e desembrulhando menos. O corpo agradece e o planeta também.

Falando nisso

Li na última semana uma reportagem sobre o fato do Himalaia ter se tornado visível em partes da Índia onde a décadas isso não acontecia devido a poluição. 

Com 1,3 bilhões de indianos em quarentena, a visibilidade aumentou significativamente, assim como a qualidade do ar respirada pela população daquele país.

Somos vários

E assim, o planeta vai nos mostrando que de fato nós somos uma espécie extremamente predadora. Ao mesmo tempo que nos mostra que o território não é só nosso. Somos várias espécies convivendo no mesmo espaço. 

O covid 19 é uma delas.